Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
10 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do UOL

MANAUS – Documentos que integram o inquérito policial aberto a pedido do presidente da Funai, Marcelo Xavier, sobre a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), a principal coalizão do movimento indígena do país, mostram que a Polícia Federal fez “diligências e pesquisas” a respeito da entidade e da líder indígena Sonia Guajajara.

Em ofício, Xavier pediu que a PF abrisse o inquérito e fizesse um “monitoramento” de uma websérie e uma campanha da APIB denominada “Agora é a vez do maracá”, que cobrou do governo federal respeito aos direitos indígenas no contexto da pandemia do coronavírus. Xavier, que também é delegado da PF, pediu a investigação sob o argumento de “possível cometimento de calúnia e difusão de fake news e estelionato”.

Após o pedido tramitar na direção-geral e na Corregedoria da PF, que autorizaram “devidas providências”, o delegado da PF Francisco Vicente Badenes Junior abriu o inquérito e determinou “diligências necessárias para informar o endereço da sede da APIB, bem como os nomes de seus responsáveis, com as devidas qualificações, e respectivas pesquisas, no que tange à [sic] eventuais existências de registros de antecedentes criminais, ou, envolvimento em atividades delituosas (bases institucionais e internet)”.

Documento que integra inquérito aberto pela Polícia Federal a pedido do presidente da Funai, Marcelo Xavier (Reprodução/UOL)

O ofício de Badenes é datado de 10 de março passado. Um mês depois, em 13 de abril, um agente da PF anexou ao inquérito um relatório que traz o endereço da sede da APIB, em Brasília, e a confirmação de que Sonia Guajajara foi alvo das “pesquisas”. O resultado foi inútil. “Em pesquisas realizadas nos sistemas disponíveis ao DPF [Departamento de Polícia Federal] e na internet, não se verifica existência de registros de antecedentes criminais ou envolvimento com atividades delituosas de Sonia Bone de Souza Silva Santos”, diz a “informação de polícia judiciária” produzida na Delegacia de Defesa Institucional da PF no Distrito Federal. O documento não explica quais são os “sistemas disponíveis ao DPF”.

Em 7 de outubro, o presidente da Funai, Marcelo Xavier, mandou um ofício ao então diretor-geral da PF, Rolando Alexandre de Souza, para pedir a abertura do inquérito policial. O pedido seguiu para a Corregedoria da PF, que autorizou a tomada de “medidas necessárias”.

O inquérito foi aberto por Badenes no dia 19 de março. A PF intimou Sonia Guajajara no último dia 27, por telefone, a fim de prestar depoimento em data ainda a ser marcada.

O despacho de cinco páginas do presidente da Funai enviado à PF para subsidiar a abertura do inquérito é uma coleção de reclamações sobre as denúncias promovidas pela APIB contra o governo Bolsonaro, insinuações e teoria conspiratória. Ele afirma, por exemplo, que o site da APIB é hospedado pela Rede Livre, que seria “associada a Mídia Ninja, Soylocoporti e Fora do Eixo, organizações comunistas que prejudicam o Brasil, ao articular informações para denegrir a imagem para o exterior. Assim, mais uma vez fica demonstrado [sic] a articulação para captação de recurso internacional”.

Xavier também levanta suspeitas, sem apresentar provas, sobre uma campanha virtual de arrecadação de recursos feita pela APIB para apoiar indígenas durante a estratégia do distanciamento social na pandemia. Ele diz que a meta inicial da vaquinha era de R$ 200 mil, depois passou para R$ 500 mil e depois para R$ 1 milhão, tendo arrecadado até 5 de outubro o valor de R$ 758 mil com 4,9 mil contribuintes.

APIB diz que governo “persegue e tenta calar” entidade e líder

Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira, 30, a APIB afirmou que o governo federal “persegue e tenta calar a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil e Sonia Guajajara”.

A nota, na íntegra:

“O Governo Federal mais uma vez tenta criminalizar o movimento indígena, intimidar a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a nossa rede de organizações de base e uma das coordenadoras executivas da Apib, a liderança Sonia Guajajara, em um ato de perseguição política e racista.

Durante o mês da maior mobilização indígena do Brasil e na semana seguinte da reunião da ‘Cúpula do Clima’, a Polícia Federal intimou Sonia, no dia 26 de abril para depor em um inquérito provocado pela Fundação Nacional do Índio (Funai). O órgão cuja missão institucional é proteger e promover os direitos dos povos do Brasil acusa a Apib de difamar o Governo Federal com a web-série “Maracá” (http://bit.ly/SerieMaraca), que denuncia violações de direitos cometidas contra os povos indígenas no contexto da pandemia da Covid-19. Denúncias essas que já foram reconhecidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) através da ADPF 709.

Os discursos carregados de racismo e ódio do Governo Federal estimulam violações contra nossas comunidades e paralisa as ações do Estado que deveriam promover assistência, proteção e garantias de direitos. E agora, o Governo busca intimidar os povos indígenas em uma nítida tentativa de cercear nossa liberdade de expressão, que é a ferramenta mais importante para denunciar as violações de direitos humanos. Atualmente mais da metade dos povos indígenas foram diretamente atingidos pela Covid-19, com mais de 53 mil casos confirmados e 1059 mortos.

Não irão prender nossos corpos e jamais calarão nossas vozes. Seguiremos lutando pela defesa dos direitos fundamentais dos povos indígenas e pela vida!

Acompanhe hoje, 30 de abril, às 15h (horário de Brasília) o encerramento do Acampamento Terra Livre com o posicionamento da Apib e suas organizações indígenas regionais sobre o caso, que será transmitido em apiboficial.org/atl2021

Sangue indígena, nenhuma gota a mais!