Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
22 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações da Folhapress

RIO DE JANEIRO – A Polícia Civil do Rio de Janeiro disse que já identificou seis das oito pessoas encontradas mortas no Complexo do Salgueiro, na região metropolitana do Rio, após uma operação da Polícia Militar (PM) no domingo, 21. Segundo a corporação, duas das vítimas não tinham passagens pela polícia. Os nomes não foram divulgados.

Na manhã desta segunda, 22, moradores retiraram os corpos de um manguezal na comunidade. Segundo os relatos, os corpos apresentam sinais de tortura. Em nota, a Polícia Militar disse que já instaurou um inquérito para investigar as circunstâncias da operação.

Em seu perfil no Twitter, a Federação das Associações de Favelas do Rio de Janeiro (Faferj) diz que já seriam 14 pessoas mortas, três delas meninas. “A prática da Polícia Militar no Complexo do Salgueiro em São Gonçalo foi a mesma dos traficantes que mataram o sargento. Executaram 14 pessoas, inclusive três meninas. Alguns, sem passagem. Isso é uma operação bem-sucedida? Existe constituição nas favelas do Rio”, questionaram, marcando o perfil do Supremo no Twitter.

Em junho do ano passado, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu operações em favelas do Rio de Janeiro enquanto durasse a pandemia – em agosto, a maioria da Corte manteve a decisão. Caso a polícia precise fazer operações, é necessário avisar ao Ministério Público com antecedência
Segundo o Ministério Público do Rio, a polícia avisou que faria a operação no Complexo do Salgueiro.

Desde sábado, 20, o clima no Complexo do Salgueiro é de tensão. Nesse dia, o policial militar Leandro da Silva foi morto a tiros durante um patrulhamento.

No dia seguinte, o Batalhão de Operações Especiais da PM do Rio (Bope) realizou uma operação na comunidade, após receber informações de que uma das pessoas que atacaram o agente estaria ferida na região.

Durante a ação, uma idosa foi baleada e encaminhada para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. Segundo o Instituto Fogo Cruzado, neste ano, 25 idosos já foram baleados na região metropolitana no Rio e nove deles morreram.

A polícia diz ainda que, durante a operação, os agentes foram atacados em uma área de mangue, na qual ocorreu troca de tiros com suspeitos. Os policiais apreenderam munições de fuzil, cinco carregadores e uniformes camuflados. Os corpos foram encontrados perto da área em que houve o confronto.

Vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Rio, Nadine Borges diz que ação pode ter sido uma represália à morte do PM. “O que nós sabemos dos moradores é que há muita tensão e muito medo. Ao que tudo indica, foi uma represália à morte do policial no sábado. É um caso muito grave”, diz ela.