Polícia investiga morte de bebê de 6 meses por suspeita de maus-tratos no Amazonas

Com informações da assessoria

MANAUS – A Polícia Civil do Amazonas instaurou um inquérito para apurar a causa da morte de um bebê de 6 meses, do sexo feminino, que foi a óbito no domingo, 23, em Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus). A polícia suspeita que a criança tenha sido vítima de maus-tratos.

Por meio de nota, a titular da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Manacapuru, Roberta Merly, informou que, no domingo, a assistente social de uma unidade hospitalar acionou a polícia para denunciar o caso. “Ela relatou que o bebê estava no local recebendo atendimento médico, e possivelmente teria sido vítima de maus-tratos”, diz a nota.

Posteriormente, um familiar teria tirado o bebê do hospital sem autorização, e no decorrer do dia, um vizinho retornou com o bebê para a unidade de saúde, já em estado grave, e o mesmo não resistiu e morreu.

A delegada ressaltou que o bebê foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), e aguarda o resultado dos exames, para apurar as causas da morte, bem como, responsabilizar os possíveis autores. As investigações estão em andamento.

Crime

Grande parte dos crimes que chega até a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) acontece em ambiente familiar e, por esse motivo, nem sempre são levados às autoridades. Qualquer cidadão pode denunciar casos suspeitos, para isso, é preciso ter olhar atento para o comportamento das crianças.

Se o crime de maus-tratos desencadear uma lesão na vítima, configura-se o agravante de lesão corporal, que pode ser classificado como leve, grave ou gravíssima. A comprovação é feita por meio de laudo pericial. A pena para quem comete este tipo de crime pode variar de dois meses a quatro anos de detenção, dependendo da gravidade de cada situação.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO