Possível declaração de Weintraub pode desestabilizar de vez o Governo Federal

Mencius Melo – Da Revista Cenarium

MANAUS – Conhecido por suas declarações ofensivas e nada republicanas, o Ministro da Educação, Abraham Weintraub pode estar no epicentro de uma possível crise que no mínimo, causará um terremo em Brasília e um tsunami político e econômico fora dela.

Segundo a jornalista Thaís Oyama, do UOL, o planalto se recusa a entregar o vídeo gravado em 22 de abril, com o então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, porque no vídeo, estão registrados xingamentos pesados aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ofensas ao “Centrão” e comentários jocosos sobre a China – maior parceiro comercial do Brasil.

Xingamentos

Segundo o que apurou a jonalista, Abraham teria dito em um momento da reunião, que o Supremo Tribunal Federal (STF) é composto por 11 filhos da p**a. Além de celebrar o STF com ‘tamanha poesia’, a sensibilidade de Weintraub foi estendida aos agora ‘parceiros’ do ‘Centrão (bloco do toma lá da cá, que a há décadas faz seu carnaval, no Concresso Nacional). A fita com as imagens e principalmente os áudios da reunião, foram requisitadas pelo Ministro Celso de Mello, para instruir o inquérito aberto a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), que apura as acusações feitas por Moro, de que o Presidente Jair Bolsonaro, estava tentando intervir na Policía Federal (PF).

Postura polêmica

Conhecido por declarações constrangedoras sobre ciência, conhecimemto, educação, universidades públicas, direitos humanos, estudantes e cientistas, Abraham Weintraub é um dos mais virulentos ministros do governo Bolsonaro. Sua verve agressiva só se compara ao desnível de suas declarações quase sempre ofensivas e debochadas. Se se confirmar o que apurou a jornalista do UOL, é melhor para o governo, que o Ministro Celso de Mello, não veja e, principalmente: ouça, o video…

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO