Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações assessoria de comunicação

AMAZONAS – Povos indígenas da América Latina são os melhores guardiões da floresta na região, principalmente quando seus territórios são demarcados, e têm papel decisivo contra a crise climática. Mas a crescente ameaça a esses povos, agravada pela pandemia de Covid-19, torna urgente medidas de proteção, alerta relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e do Caribe (Filac) divulgado nesta quinta-feira, 25.

Baseado na revisão de mais de 300 estudos publicados nos últimos 20 anos sobre o tema, o documento “Governança florestal por povos indígenas e tribais” destaca a explosão do desmatamento em terras indígenas do Brasil em 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro – a atual gestão não demarcou nenhuma terra indígena e tenta liberar mineração e outras atividades econômicas nessas áreas.

Os autores apontam que as taxas de desmatamento são significativamente mais baixas nos territórios indígenas em que os povos tiveram seus direitos reconhecidos, e que cuidar dessas florestas é uma das formas mais eficientes de limitar as emissões de gases de efeito estufa.

Fatores culturais, geográficos, econômicos e políticos que têm contribuído para a preservação dessas florestas estão mudando de forma acelerada, destaca o estudo, com consequências ambientais e sociais potencialmente desastrosas. Há também um apelo a governos nacionais, comunidade internacional e outros atores para fortalecer sua colaboração com povos indígenas e tribais com o objetivo de melhorar a governança de seus territórios e garantir seus direitos.

Criada há 75 anos para combater a fome no mundo e buscar segurança alimentar, a FAO pela primeira vez produz um documento dedicado exclusivamente às vulnerabilidades e ao papel dos povos e territórios indígenas, que hoje representam um terço das florestas tropicais na América Latina e no Caribe. No momento em que essas regiões enfrentam uma das piores crises da história por causa da Covid-19, o relatório alerta para o risco crescente de que esses povos sofram tanto pela contaminação como pela falta de proteção de suas terras.

“Quase metade das florestas intactas na bacia amazônica estão em territórios indígenas, e a evidência de seu papel vital na proteção da floresta é cristalina. Enquanto a área de floresta intacta diminuiu apenas 5% entre 2000 e 2016 nas áreas indígenas da região, nas áreas não indígenas caiu 11%”, disse a presidente da Filac, Myrna Cunningham, indígena da Nicarágua.

O autor do relatório, David Kaimowitz, da FAO, conclui que as ameaças cada vez maiores aos povos indígenas “exigem respostas rápidas” e que “logo pode ser tarde demais”.