Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Luís Henrique Oliveira – Da Revista Cenarium*

MANAUS – Embora o Amazonas tenha registrado uma queda de 2,65% no preço médio do etanol, a maior semanal do País, consumidores ainda aguardam o efeito nas bombas da capital. Os dados foram divulgados de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas.

“Toda vez que temos uma queda, nunca sentimos esse reflexo diretamente em nosso bolso. Agora, quando acontece ao contrário, de ter aumento, no outro dia já percebemos os avisos nos postos”, disse o corretor Ricardo Silva Reis, 49.

Ao todo, segundo o levantamento da ANP, os preços médios do etanol hidratado caíram em 13 Estados na semana encerrada no sábado, 6, ante o período anterior. Por outro lado, o biocombustível subiu em outros 11 Estados e no Distrito Federal e manteve-se inalterado no Amapá e em Minas Gerais.

Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 1,46% na semana ante a anterior, de R$ 2,542 para R$ 2,579 o litro. Em relação aos últimos 30 dias, a queda atinge 38,73%, a R$ 1,859.

Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do hidratado ficou em R$ 2,385, alta de 2,14% ante a semana anterior (R$ 2,335) e de queda de 28,29% na comparação com os últimos 30 dias.

Na Bahia, o biocombustível registrou a maior alta porcentual na semana, de 4,17%.

Na comparação mensal, os preços do etanol só cederam em dois Estados, Acre e Amazonas, -0,42% e -2,00%, respectivamente, e no Distrito Federal (menos 1,66%).

O Estado que registrou a maior alta na comparação mensal foi São Paulo, com elevação de 28,29% no preço do etanol hidratado.

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 1,969 o litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 2,385, foi registrado também em São Paulo.

O preço máximo individual, de R$ 4,999 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul.

O Rio Grande do Sul também teve o maior preço médio, de R$ 3,906.

A reportagem buscou informações sobre o valor do combustível em Manaus, mas aguarda posicionamento do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Amazonas (Sindicam).

(*) Com informações da Agência Estado