Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – O prefeito de Rio Preto da Eva (a 79 quilômetros de Manaus), Anderson Souza (PP), cancelou, nessa segunda-feira, 28, a Marcha Para Jesus e a festa de Réveillon que estavam programadas para acontecer no dia 31, mesmo com o decreto governamental suspendendo eventos que promovam aglomerações no Estado. Entre as atrações para a festa de Ano-Novo, estavam músicos regionais como cantor sertanejo Guto Lima.

Nesse fim de semana, o Ministério Público do Amazonas (MPAM), por intermédio do promotor de Justiça plantonista Vivaldo Castro de Souza, ajuizou uma Ação Civil Pública com objetivo de fazer a Justiça proibir a realização dos eventos Marcha para Jesus e o Réveillon, anunciados pela Prefeitura de Rio Preto da Eva para o dia 31 de dezembro.

Os eventos, segundo o MP, incentivam aglomerações e vão de encontro à situação de agravamento dos casos de covid-19 em todo o Estado. Na manhã dessa segunda-feira, 28, o juiz Carlos Jardim, deu o prazo de 24 horas para que a Prefeitura local se manifestasse sobre o caso.

Ainda na segunda-feira, 28, a REVISTA CENARIUM noticiou que apesar da maioria dos hospitais públicos e particulares de Manaus atuarem com cerca de 100% da capacidade máxima, com o aumento de internações e mortes decorrentes da Covid-19, Anderson Souza havia anunciado a festa de Réveillon.

Em uma transmissão ao vivo nas redes sociais ao lado do vice-prefeito José Dantas Neto (PSDB), Anderson Souza voltou a citar o baixo número de contaminações e internações em Rio Preto da Eva. “Resolvemos fazer alguns ajustes em nosso decreto para que a população possa entender este momento em que está vivendo o Estado do Amazonas. Não queremos, em nenhum momento, contribuir para a proliferação do vírus dentro do Estado, mas também não vamos deixar a nossa população ficar desempregada”, disse o prefeito.

O prefeito destacou três pontos que serão reajustados no novo decreto da prefeitura. “O primeiro, iremos retirar a questão dos dois eventos; iremos colocar manutenção nos horários dos nossos bares e restaurantes; estaremos dando o toque de recolher à meia-noite, não iremos permitir nenhum evento em massa para evitar com que as pessoas venham de Manaus e fiquem em grupos aqui em reunião, em festas”, anunciou.

Segundo o gestor, o toque de recolher será decretado nos horários de 0h até às 6h. O prefeito, no entanto, não informou o período em que a medida ficará em vigor. O decreto deve ser publicado nesta quarta-feira, 30, no Diário Oficial dos Municípios (DOM).

Anderson Souza citou, também, um pronunciamento do presidente Bolsonaro dessa segunda-feira, 28, sobre o fim do auxílio emergencial às famílias, a partir de 31 de dezembro deste ano, e a necessidade de manter atividades econômicas em funcionamento, mas preservando a vida das pessoas.

“O MP tem conversado conosco, entrou com pedido junto a comarca, para que o mesmo pudesse fazer uma liminar pedindo a suspensão do evento. Sabemos que cada município vive a sua realidade e nós apresentamos a nossa defesa nas últimas 24 horas. Ontem mesmo [28] já apresentamos todo o motivo que nos levava a fazer o evento e poderíamos até continuar, mas entendemos que Manaus, em função de não estar tendo eventos e uma série de atividades, vão vir para Rio Preto e poderão justamente contaminar e haver uma contaminação em massa”, continuou Souza.

O prefeito criticou, ainda, eventos realizados em outros municípios e disse que, em um outro momento, irá realizar sim a ‘Marcha para Jesus para ‘glorificar a Deus’. “Era um momento importante, uma caminhada. Da mesma forma que fizemos, antes de ontem teve evento em Manacapuru com mais de cinco mil pessoas; ontem teve em Coari caminhadas com candidatos com duas mil pessoas. Então, se está havendo em outros locais, nós poderíamos fazer aqui e eu acredito que Rio Preto tenha uma estrutura de saúde dez vezes maior que esses municípios”, criticou.