Prefeitura de Manaus revitaliza praça em área ‘nobre’ da cidade e ‘ignora’ praças históricas

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – Apesar de representarem marcos importantes na história do Amazonas, as praças históricas têm sofrido com o descaso da administração pública municipal. Lugares como a Praça da Saudade e a Praça dos Remédios, no Centro da capital amazonense, sobrevivem ao tempo, mas ”definham” com a falta de manutenção, limpeza e até mesmo vandalismo. Enquanto isso, outras praças, localizadas em áreas nobres de Manaus, recebem atenção especial das secretarias municipais.

É o caso da recém-nomeada Praça dos Advogados Dr. Alberto Simonetti Cabral Filho, na avenida Guilherme Paraense, zona Centro-Sul de Manaus. O espaço tem recebido, desde o ano passado, serviços de capinação, podagem e varrição da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp). Neste mês, a Prefeitura de Manaus instalou o monumento “Uma revoada de borboletas”, do artista Rossy Amoedo no local.

A região é conhecida por ser uma área residencial de alto padrão na cidade. Segundo entidades e associações de corretores de Manaus, o bairro Adrianópolis apresenta um dos projetos de urbanização mais completos da capital, composto por ruas arborizadas, calçadas largas e uma ótima infraestrutura. Vale mencionar, ainda, que no bairro existem unidades das mais famosas redes de hoteleiras do País, além de um dos shoppings mais movimentados da capital e agências bancárias, supermercados, escolas e todo o tipo de comércio.

Leia também: Patrimônio Nacional, Mercado Adolpho Lisboa sofre com vandalismo e descaracterização

A praça é uma homenagem póstuma a um magistrado que foi por quatro vezes presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Amazonas (OAB-AM) e atuou como defensor público do Estado. A CENARIUM questionou a Semulsp sobre o valor empregado na estrutura artística, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Do outro lado da cidade, no Centro Histórico, a Praça 5 de Setembro, conhecida como Praça da Saudade, se tornou uma área quase abandonada. Inaugurada em 1865, esse ponto turístico de Manaus virou alvo de pichações. Os bancos e os quiosques da praça, entregues em perfeitas condições quando a mesma foi revitalizada e reinaugurada em 2010, estão enferrujados e tombam com a má conservação da estrutura. Até mesmo um barraco onde uma família residia foi instalado irregularmente no local, mas retirado logo depois.

Já a Praça dos Remédios, localizada em frente à igreja que leva o mesmo nome e em uma das portas de entrada da cidade, entregue revitalizada em 2014 pelo Governo do Amazonas, se tornou moradia para pessoas em situação de rua. No local, a CENARIUM constatou que até mesmo o almoço dessas pessoas é feito no local com uma fogueira.

Leia também: Patrimônios arquitetônicos de Manaus marcam a história dos 352 anos da ‘Paris dos Trópicos’

Falta de resposta

A CENARIUM contatou a administração pública para saber quem é o responsável pelos locais, mas, até o fechamento desta reportagem, não obteve retorno. Dos órgãos contatados — Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) e até mesmo a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) — apenas o Implurb e a Seminf responderam.

O primeiro afirmou que a gestão da Praça da Saudade não é de sua competência e o segundo encaminhou a demanda à Semcom.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO