26 de fevereiro de 2021

Com informações Revista Forum

MANAUS – Durante a pandemia do coronavírus, houve um aumento no número de mulheres vítimas de violência doméstica no Brasil. Além do gênero, a violência também apresentou recorde de raça. Segundo o levantamento do Monitor da Violência, as principais vítimas de feminicídio são mulheres negras. Um dado sempre presente nas estatísticas oficiais.

“Não podemos debater feminicídio sem falar de racismo estrutural”, afirma Márcia Soares, diretora-executiva da Themis, organização feminista criada em 1993 por um grupo de advogadas e cientistas sociais. Se chegar uma mulher negra na delegacia, ela não será atendida como uma mulher branca. Isso também mostra uma vulnerabilidade das mulheres negras nos serviços de Justiça”, completou.

Ainda segundo o levantamento do Monitor de Violência, cerca de 75% das mulheres assassinadas no primeiro semestre de 2020 no Brasil são negras. A maioria desses crimes foi praticada por companheiros e ex-companheiros das vítimas. Dados sobre as raças das vítimas de violência são importantes para entender como os crimes acontecem de formas diferentes em certos grupos populacionais, para que então seja possível pensar em políticas públicas específicas.

Políticas essas que, até então, são insuficientes. Segundo levantamento realizado pela revista AzMina, apenas 7% dos municípios do país possuem uma delegacia da mulher. Além do desamparo em termos de infraestrutura, a diretora da Themis também chama atenção para a autorização da violência presente no governo Bolsonaro, o que pode contribuir para um aumento de mortes.

O discurso de pouco apreço do atual mandatário do país, sempre pautado por uma visão deslocada da realidade, estimula uma cultura de violência. “É um governo que autoriza a violência e, de alguma forma, legitima a violência doméstica. É um governo que enfrenta um conceito básico, que é o conceito de gênero. Se você desconsidera gênero, você não tem como combater as violências”, afirma a especialista.