Presidente do Senado decide futuro da CPI do MEC nesta terça-feira

Com informações do InfoGlobo

BRASÍLIA – O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), deve decidir hoje o futuro da CPI do MEC. O pedido para instalação da comissão que quer investigar suspeitas de corrupção na gestão de Milton Ribeiro no Ministério da Educação foi protocolado na terça-feira passada, mas Pacheco preferiu adiar a decisão para depois da reunião de líderes, que ocorrerá às 9h de hoje, de forma virtual.

Veja também: Aprovada pelo Senado, PEC que institui estado de emergência autoriza abertura dos cofres públicos em ano eleitoral

Pacheco tem dito que tende a seguir uma opinião majoritária dos líderes partidários no Senado. Embora não queira judicializar o caso — como aconteceu com a CPI da Covid, que só foi aberta após uma decisão do Supremo Tribunal Federal —, o presidente da Casa quer ouvir os líderes sobre se o momento político atual, faltando três meses para a eleição, é oportuno para se instalar uma comissão de inquérito. Ele já havia declarado que a proximidade com o período eleitoral poderia prejudicar os trabalhos da CPI.

Outras comissões no Senado

Além da CPI do MEC, os senadores vão debater a abertura de três outras comissões de inquérito: uma sobre obras paradas da pasta em gestões passadas, cuja a autoria é do líder do governo, Carlos Portinho (PL-RJ); uma sobre o narcotráfico no Norte e Nordeste do país, e outra sobre a atuação de ONGs na Amazônia. Por ora, parte dos líderes já sinalizou a Pacheco que não é hora para CPI.

“Acho que ninguém acredita em CPI durante a campanha, mas é natural que a oposição queira que se instale. Dia 15 há o recesso e agosto começa a campanha”, diz o líder do Podemos, Alvaro Dias (PR).

Dos 16 partidos com representantes no Senado, ao menos nove devem seguir o posicionamento do governo de não abrir uma CPI às vésperas da eleição. São eles: PL, PP, Republicanos, PROS, PTB, PSC, União Brasil, Podemos e PSDB. Tais siglas são lideradas por aliados diretos do Planalto, como o filho do presidente e coordenador de sua campanha, Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

Já as duas maiores siglas da Casa, MDB e PSD, ainda não indicaram publicamente como devem se portar em relação à CPI no colégio de líderes. A maioria da bancada emedebista, no entanto, assinou a lista para a criação da comissão do MEC — apenas três senadores da legenda não deram o aval para a criação do colegiado. As legendas restantes são de oposição : PT, PSB, Rede, PDT e Cidadania.

Essas siglas pressionam para que Pacheco instale a CPI do MEC antes mesmo do recesso parlamentar, marcado para começar no dia 18 deste mês. A base do governo, porém, tenta adiar a abertura da comissão para depois das eleições — o que seria, na prática, uma forma de fazer com que a CPI não aconteça, já que, na visão de senadores da oposição, ela perderia força tantos meses após a prisão de Ribeiro.

Há ainda na mesa a possibilidade de se instalar todas as comissões. A hipótese também é defendida por aliados do presidente Jair Bolsonaro, já que, caso sejam abertos todos os colegiados, não haverá quórum para nenhuma investigação.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO