Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do jornal El Tiempo

COLÔMBIA – Andrea Cortés Guarín, de 26 anos, é a primeira mulher trans a fazer parte da Força Pública na Colômbia. Ela é patrulheira policial, está estudando Comunicação Social e seu objetivo é, por meio de seu trabalho, se tornar uma defensora dos direitos da mulher e da comunidade LGBTI (comunidade Lésbica, Gays, Bissexual, Travesti, Transexual, Pessoas Trans e Intersexual).

Andrea nasceu em Bucaramanga. É a mais velha de três irmãs e afirma com orgulho que foi sua mãe, Jackeline Cortés Guarín, quem cuidou delas e as apresentou. “Minha mãe é uma mulher muito trabalhadora e honesta que nos ensinou a lutar por nossos sonhos, mas sempre com base no respeito pelos outros”, disse Andrea ao El Tiempo.

Na verdade, o apoio e o carinho da mãe foi o que a levou a se reconhecer desde muito jovem. “Embora pareça uma frase de efeito, fiquei presa no corpo de Fabio Cortés, nome com o qual fui batizada quando nasci, porque ele era um homem, embora eu me identificasse e me sentisse mulher”, relata com uma certa nostalgia.

Vida

Andrea viveu e cresceu na Escola Vicente Azuero, em Bucaramanga, onde a sua mãe trabalhava. Lá, junto com as irmãs, estudou o ensino fundamental e médio e se formou em 2012. E justamente na escola Andrea começou a perceber, como ela mesma diz, que “era diferente”. “Naquela época, eles ‘usavam’ para mim. Eles fizeram o que chamam de bullying hoje e eu sofri. Eles zombavam, em suma, um pesadelo inteiro”, relembra entre lágrimas.

Primeira mulher trans da polícia colombiana busca quebrar estereótipos e a defesa da comunidade LGBTI (Reprodução/Néstor Gómez – El Tiempo)

Não é para menos. Ela tinha oito ou nove anos, ela era uma menina. “Disseram a minha mãe: ‘Jackeline, tome cuidado, esse menino é muito afeminado.’ Minha mãe, no fundo do coração, sabia quem eu era”, diz Andrea, que destaca que ela nunca a recriminou ou pediu que ela “se comportasse como um homem”, relebrou.

Ela admite que nunca foi uma boa aluna, mas era muito criteriosa e gostava de ficar em casa. Entre suas memórias de infância estão as brincadeiras com suas irmãs. Hoje um deles trabalha na Polícia e o outro está na universidade. “Era muito cotidiano entre nós brincar de reinos de beleza, maquiar-se com as coisas da minha mãe. Isso nos divertiu muito”, enfatiza com um largo sorriso.

Condição

Andrea destacou que durante o ensino médio sofreu muito pelo que descreve como sua “condição” e pelo ridículo a que foi submetida, embora assegurasse que, felizmente, conseguiu estabelecer uma grande amizade com outro jovem homem (agora uma mulher trans), com quem compartilhava sua tristeza, mas ao mesmo tempo, com quem se unia para enfrentar quem a maltratava.

A título de anedota, Andrea lembra que quando adolescente tinha “muito medo das mulheres trans”, mas avisa que nunca as discriminou. Hoje ela conclui que o medo que sentiu era na verdade querer ser como elas. “Ser uma mulher trans”, disse.

No final do bacharelado, como todo cidadão colombiano, naquele momento Fabio teve que definir sua situação militar e foi servir como auxiliar regular da polícia.

“Quando ingressei no serviço militar como policial, a Instituição sabia que eu era homossexual. Hoje essa condição é avalizada e respeitada na Força Pública ”, disse Andrea, que diz que tudo o que pediram foi que se comportasse de forma profissional.

Atuação profissional

Ingressou aos 18 anos como auxiliar regular e foi enviada por três meses para a Escola de Polícia localizada em Vélez (Santander). Ao concluir sua formação, atuou em Vélez, Chipatá e Guabatá, todos municípios de Santander.

Foi naquele ano e meio que Andrea descobriu sua vocação de serviço à comunidade e se apaixonou pelo trabalho que vinha realizando. Ela também tomou duas grandes decisões em sua vida: seguir uma carreira na aplicação da lei e começar sua transição para a mulher.

Na verdade, aos 19 anos, enquanto ainda estava na escola, em meados de 2015, iniciou seu tratamento hormonal. “Meus colegas da época já sabiam que eu era homossexual. Eles sempre foram muito respeitosos, não tenho reclamação deles nem dos instrutores ”, destacou.

Apesar de se formar em 2016 como Fábio, logo após ter sido nomeada para o departamento de Cauca, ela comunicou a seus superiores sobre sua identidade como mulher trans. Assim, deu lugar à mudança de nome e regularização de seus documentos.

“Com uma autorização viajei para Bucaramanga (em setembro de 2017), fui ao cartório e mudei meu registro civil e minha carteira de identidade. E voltei como Andrea Cortés Guarín”, continua.

Aceitação

A próxima coisa que ela fez foi informar a Polícia Nacional sobre sua nova identidade legal. Porém, não foi fácil para ela, pois a princípio disseram-na que não aceitariam a mudança, pois ela havia transitado para outro nome e gênero.

Por isso, entrou em contato com Diana Navarro Sanjuán, renomada advogada trans que defende os direitos da comunidade LGBT+. “Ela escreveu a tutela, me aconselhou e me apoiou durante todo o processo, o que não foi fácil. Devo muito a esta mulher”, explicou Andrea.

Em maio de 2018, o Tribunal Superior da Comarca de Popayan notificou a polícia que deveria reconhecer o direito ao desenvolvimento da personalidade livre e da personalidade jurídica de Andrea, a exigir igualdade com o resto das pessoas, respeitando sua nova identidade.

Depois de sua luta para ser reconhecida como era a agência policial aceitou sua identidade e, dessa forma, ela conseguiu se desenvolver como outra autoridade. Agora, eles estão na capital, Bogotá, onde ela atua na área administrativa.

A mensagem de Andrea ao conseguir quebrar estereótipos dentro do quadro de pessoal da Força Pública é uma só: “A minha condição não influencia para garantir os direitos e deveres dos cidadãos”.