28 de fevereiro de 2021

Gabriel Abreu – Da Revista Cenarium

MANAUSA Universidade Federal do Amazonas (Ufam) completa 112 anos de existência neste domingo, 17. Ao longo de mais de um século, promoveu educação, pesquisa e desenvolvimento no maior estado da Amazônia. A Ufam foi criada em 1909 sendo a primeira instituição de ensino superior do país, com o nome de Escola Universitária Livre de Manáos, por inspiração do tenente-coronel do Clube da Guarda Nacional do Amazonas, Joaquim Eulálio Gomes da Silva Chaves.

A área do campus universitário, de mais seis milhões de metros quadrados, a torna o terceiro maior fragmento verde em área urbana do mundo e o primeiro do País. Nela, são encontradas várias espécies da fauna – como preguiças, pacas, sauins-de-coleira – e da flora, em meio a uma grande porção de mata virgem. A área construída corresponde a cerca de 35% do projeto arquitetônico original, de autoria do arquiteto Severiano Mário Porto, que lhe rendeu menção honrosa, em 1987, do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RJ).

Imagens de quando o campus estava sendo construído (Divulgação)

Ao longo desse período, o mundo foi passando por diversas transformações para levar aos alunos o melhor conteúdo. Em 2020, viveu um dos maiores desafios da trajetória por contas dos impactos causados pela pandemia de Covid-19. Por conta disso, teve que suspender as atividades presenciais desde março de 2020. Segundo o reitor da Ufam, Sylvio Puga, a instituição não parou e contribuiu para ajudar o Estado do Amazonas na maior crise sanitária do mundo.

“A Universidade Federal do Amazonas completa 112 anos de atividades ininterruptas, tendo como sua unidade originária a Faculdade de Direito. Em todo esse período, a Universidade esteve atuando em prol do desenvolvimento do Amazonas, formando nas mais diversas áreas profissionais qualificadas, e comprometidos com a vocação amazônica da instituição”, destacou o reitor da Universidade, Sylvio Puga.

Serviço

Iniciativas que foram essenciais na durante a pandemia do novo coronavírus, pois produtos que eram desenvolvidos na academia passaram a ser essenciais para a população com a fabricação de álcool em gel e máscaras e a formatura antecipada dos profissionais de saúde para atuarem na linha de frente.

“Seja por meio de iniciativas como a produção de álcool em gel, confecção de máscaras, de cartilhas de combate à Covid-19 em línguas indígenas, de parcerias com o Governo do Estado para oferecimento de leitos para tratamento de covid-19 no Hospital Universitário, das pesquisas nas áreas de saúde, além das outorgas de grau antecipadas de Medicina e Fisioterapia para reforçar as equipes de saúde em atuação em nosso Estado. Ou seja, trabalhos realizados em meio à dor pela perda de integrantes de nossa comunidade para a Covid-19 ou marcados pela apreensão a cada momento em que um membro de nossa comunidade era acometido pela doença. Seguimos movidos pela esperança de superar esses momentos adversos e cientes do nosso compromisso de estarmos sempre a serviço da sociedade, na medida de nossas possibilidades”, declarou o reitor.

Selo comemorativo foi lançado em comemoração aos 112 anos da instituição (Divulgação)

Selo comemorativo

Para comemorar a data, foi elaborado um selo alusivo aos 112 anos da Ufam, o qual será utilizado ao longo de 2021 nos materiais temporários e páginas virtuais da Universidade. A idealizadora do selo, designer Bruna Andrade, da Assessoria de Comunicação da Ufam, afirma que o selo não deverá substituir a marca original da Ufam.

“A identidade visual da Universidade permanecerá inalterada e o selo vai integrar a marca original da Ufam, como uma assinatura conjunta. A composição do selo faz uso da cor verde, presente na marca da Ufam e é composto por texturas que representam a cultura local, ao mesmo tempo em que traz um ar tecnológico. Estará nas assinaturas de e-mail, nas postagens de Facebook, Twitter, no boletim Mensagem Expressa, no planner institucional, calendário, outdoor, entre outros espaços de aplicação”, detalha a designer.

A jornalista Ana Carla Souza afirma que a atual gestão superior, a cada ano da Ufam completado, trabalha as comemorações sempre fazendo menção a um tema específico da Universidade.

“Seja abordando as pesquisas, os projetos de extensão ou os avanços universitários, priorizamos o envolvimento da Ufam com a sociedade amazonense, porque dessa forma acreditamos valorizar nossa comunidade e a sociedade”, declarou a gestora.

História

Ao recordar conquistas como a expansão das unidades acadêmicas da Ufam para o interior do Estado e corpo docente formado por mais de mil doutores, o reitor Sylvio Puga, afirma que a pandemia de covid-19, ao mesmo tempo em que se tornou um dos maiores desafios que a Universidade já experimentou, tornou nítido o protagonismo da ciência a serviço da sociedade.

 “Acredito que a pandemia entra para a história da Ufam como o maior de seus desafios, pois levou nossa Universidade a suspender todas as atividades presenciais. Apesar disso, não paramos de trabalhar, pois foi nesse momento em que a sociedade mais precisou da ciência, das Universidades.

Estrutura

Constituída atualmente por 18 unidades de ensino, entre institutos e faculdades, sua estrutura incorporou de início à Faculdade de Direito, remanescente da Universidade de Manáos, e as faculdades de Ciências Econômicas e de Filosofia, Ciências e Letras, unidades isoladas  de ensino superior, criadas e mantidas pelo Estado. A essa estrutura juntou-se também, por doação do desembargador André Vidal de Araújo, o patrimônio da Escola de Serviço Social de Manaus. Já no final dos anos 1990 outra unidade de ensino superior incorporou-se à estrutura da Ufam – a Escola de Enfermagem de Manaus, anteriormente mantida pela Fundação Sesp, do Ministério da Saúde.