Jovens amazonenses defendem renovação política no primeiro voto para eleições municipais

Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Mesmo sem data definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as eleições municipais deste ano serão a estreia de muitos eleitores. Embora a legislação eleitoral só determine obrigatoriedade para jovens com 18 anos, alguns com 16 e 17 anos já fazem questão de exercer o voto e contribuir com a escolha dos prefeitos e vereadores do Amazonas.

Para o estudante de 16 anos, Leonardo Rodrigues, que vai votar pela primeira vez, a expectativa formada gira em torno da ampliação de debates nas redes sociais até às urnas.

“Os jovens vão atrás daquilo que o representa, ou daquilo que representa seu grupo. A ampliação dos níveis de debate nas redes sociais, faz com que os jovens tenham a vontade de votar, uma vez que sentem que fazem parte da mudança”, comenta.  

“A juventude precisa de políticas públicas enérgicas, que tirem nossos jovens da rua, que combatem a desigualdade, que combatem o preconceito. Por isso sou defensor de candidatura jovens, ninguém melhor que os próprios jovens pra protagonizar a mudança que querem”, reforça o jovem Leonardo.

Marhia Edhuarda Bessa, universitária de 18 anos, diz estar apreensiva, por se tratar da primeira eleição, mas ressalta que considera o voto, um reforço aos trabalhos coletivos sociais, que buscam na política, lutar contas as desigualdades sociais.

“Ainda não ter nenhum candidato em mente, e por isso, fico receosa de não estar inteirada o suficiente e acabar ‘desperdiçando’ meu voto. E a pesar do nosso modelo de democracia estar longe do ideal, acredito que esse molde representativo é importante”.

Bessa também diz ter preferência às candidaturas jovens, ponderando que o debate parlamentar deve atender os anseios dos coletivos da sociedade. “Acredito que à medida em que os jovens podem buscar algum candidato que atenda suas demandas, essa identificação é maior. Além disso, é interessante pensar que aos poucos coletivos têm conseguido levantar pautas e debates dentro do ambiente parlamentar, considero importante ocupar esses espaços de poder. É um processo lento e muitas vezes dolorido, mas muito necessário e simbólico”, pondera.

Fala do especialista

Segundo o cientista social e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Gilson Gil, em relação aos jovens, pode haver uma mudança do paradigma sobre a política na sociedade.

“Creio que há uma desconfiança generalizada sobre a política. Se olharmos redes sociais, veremos como todos os políticos sendo atacados. Contudo os jovens, desejam muitas coisas, possuem ambições, e buscam na politica, nos diferentes partidos, uma maneira de realizar isso”, explica.

Gil afirma que nossa democracia se encontra em um momento e que a desconfiança generalizada, acaba sendo um dos desafios para estas eleições. Outro ponto mencionado pelo sociólogo é a necessidade de tornar os jovens mais interessados quanto às questões políticas, através de propostas razoáveis, por exemplo.

“Entretanto, há segmentos juvenis que, por razões econômicas e sociais, estão mais distantes desses debates, ocupados com seu sustento e com seu mundo privado. Uma, entre outras, tarefas desta eleição, seria mobilizar esse segmento e tentar tornar razoáveis suas ideias, aglutinando- as em propostas viáveis”, finaliza.

Ações no TRE

O Desembargador Aristóteles Lima Thury, recém empossado como novo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), explica que a Justiça Eleitoral tem criado mecanismos para envolver os novos eleitores dentro do processo de votação e democracia.

“Nos últimos anos diversas ações de incentivo à participação do jovem eleitor, especialmente na faixa etária entre 16 e 18 anos, conscientizando-os da importância do exercício da cidadania, por intermédio do voto, destacando-se os projetos intitulados ‘Jovem Eleitor’, ‘Eleitor do Futuro’ e ‘Educação para a Cidadania”, disse o magristrado.

O presidente do TRE-AM, ainda relembra a “Semana do jovem eleitor”, ação coordenada em parceria com o TSE, que vinculou campanhas de conscientização no rádio, televisão e redes sociais voltadas aos jovens. Além de atividades locais realizadas em novembro do ano passado, voltadas ao fortalecimento da participação jovem na vida política.

“Visando às eleições municipais de 2020, o TRE-AM, em conjunto com a Escola Judiciária Eleitoral do Amazonas realizou, no último ano, diversas palestras direcionadas a estudantes do Ensino Médio sobre os temas cidadania, funcionamento do Estado brasileiro, organização dos Poderes e esferas, critérios para um voto consciente e fake news”, finaliza Thury.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO