Procurador que agrediu colega de trabalho é preso em São Paulo

Ana Pastana – Da Revista Cenarium

SÃO PAULO — O procurador Demétrius Oliveira de Macedo foi preso nesta quinta-feira, 23, após ter agredido a colega de trabalho, na Prefeitura de Registro, no interior do Estado, Gabriela Samadello Monteiro. A Justiça havido determinado a prisão do procurador na última quarta-feira, 22. A polícia do Estado esteve na residência do procurador no mesmo dia que a prisão foi decretada, mas Oliveira não foi encontrado.

A prisão preventiva do procurador ocorreu na capital paulista, após os policiais do 1º DP realizarem buscas por Oliveira. De acordo com a Polícia Civil, a investigação para apurar o caso que viralizou nas redes sociais conta com fotos e vídeos da agressão, além do depoimento da vítima.

Nota de repúdio

A Associação Nacional dos Procuradores Municipais divulgou uma nota de repúdio em solidariedade a procuradora-geral. “A ANPM repudia a conduta violenta perpetrada pelo servidor identificado como Demétrius Oliveira de Macedo que, conforme noticiado, tinha sua atuação funcional avaliada por meio de um procedimento disciplinar a cargo da vítima”, diz a nota.

O caso

A procuradora-geral do município de Registro, interior do Estado de São Paulo, Gabriela Samadello Monteiro, foi agredida no local de trabalho, dentro da prefeitura do município pelo também procurador Demétrius Oliveira de Macedo, no dia 20 de junho. A ação foi filmada por uma funcionária que presenciou as agressões.

De acordo com a vítima, o procurador havia cobrado providências sobre um caso de grosseria com outra funcionária do órgão, pois a mesma estava receosa de trabalhar no mesmo ambiente que o agressor. Na segunda-feira, 20, foi publicado, no Diário Oficial do Município (DOM), a criação de uma comissão para apurar os fatos. Gabriela acredita que esse seria o motivo que ocasionou as agressões.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO