Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – A produção industrial no Amazonas registrou o maior crescimento do País em setembro deste ano, em relação ao mesmo período de 2019, com um avanço de 14,2%, acima da média nacional (3,4%). A informação é da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgada nesta terça-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ainda de acordo com o instituto, a indústria teve alta em 12 dos 15 locais pesquisados na comparação com igual mês do ano anterior. Além do Amazonas, o avanços mais significativos em setembro foram no Ceará (8,5%), Pará (8,1%), Santa Catarina (7,6%) e Pernambuco (7,5%).

Os Estados do Rio Grande do Sul (5,8%), Goiás e São Paulo (4,9%) também tiveram taxas maiores que a média nacional. Minas Gerais (3,3%), Paraná (3,2%), Região Nordeste (3,2%) e Rio de Janeiro (0,8%) completaram o conjunto de locais com crescimento na produção nessa comparação.

Segundo o IBGE, na contramão, Espírito Santo (-11,0%) e Mato Grosso (-6,2%) tiveram os recuos mais intensos. Bahia, com redução de 1,9%, também apontou resultado negativo.

Frente a agosto

Frente a agosto deste ano, a produção industrial de setembro teve taxas positivas em 11 dos 15 locais pesquisados na série com ajuste sazonal. Segundo o IBGE, o Paraná apresentou o maior avanço, com crescimento de 7,7% no período, sendo o quinto consecutivo, acumulando ganho de 46,2% em cinco meses.

Os Estados do Amazonas (5,8%), São Paulo (5,0%), Espírito Santo (5,0%), Rio Grande do Sul (4,5%), Santa Catarina (4,5%) e Bahia (4,0%), também tiveram altas acima da média nacional (2,6%).

Minas Gerais (1,9%), Ceará (1,3%) e Goiás (0,4%), completam a lista dos Estados com alta na produção em setembro. A Região Nordeste, única das cinco regiões analisada em seu conjunto, também cresceu (1,1%).

Em queda na passagem de agosto para setembro, estão Mato Grosso (-3,7%), Rio de Janeiro (-3,1%), Pará (-2,8%) e Pernambuco (-1,3%).