Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

MANAUS – Garantir o acesso integral na vacinação contra a Covid-19 aos amazonenses que vivem em áreas remotas é um dos grandes desafios do Governo do Amazonas e da Fundação Amazônia Sustentável (FAS). Nesta terça-feira, 27, uma força-tarefa percorreu a Comunidade São Francisco do Caribi, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uatumã (distante 400 km de Manaus), para realizar a imunização de 100% da população acima de 18 anos.

A ação é resultado de uma iniciativa articulada entre FAS, por meio da Aliança Covid-Amazônia, junto à Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), às secretarias de Estado da Saúde (SES-AM) e do Meio Ambiente do Amazonas (Sema), além das Prefeituras Municipais de Itapiranga, de São Sebastião do Uatumã, Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF Task Force) e Consórcio Interestadual da Amazônia.

O projeto-piloto, pioneiro no Brasil, visa à adoção de um novo modelo de vacinação, que melhor se adeque à realidade do interior do Amazonas. Invés da vacina por faixa etária ou grupos de risco, como ocorre na capital, o projeto-piloto irá vacinar 100% das pessoas elegíveis em todas as comunidades da RDS.

Neste primeiro momento, foram destinadas 900 doses da vacina AstraZeneca para vacinar, com a primeira dose, os moradores da comunidade com idade entre 18 e 59 anos, com e sem comorbidades.

Caso o projeto-piloto realizado nesta terça se mostre eficaz, outras 22 comunidades ribeirinhas, espalhadas pelo Amazonas, serão contempladas com o novo sistema de vacinação. Além da vacina contra a Covid-19, o Governo do Amazonas também aproveitará a força-tarefa para ampliar o calendário vacinal entre os residentes da Unidade de Conservação.

“Com isso reduz-se o custo de logística, custo de pessoal envolvido e dessa forma nós aumentamos a eficiência do SUS e também a velocidade do impacto da vacina, no sentido de erradicar a doença de alguns territórios como é o caso das unidades de conservação do Amazonas”, destaca o superintendente da FAS, Virgílio Viana.

De acordo com Ângela Desiré, representante da FVS na ação, a medida busca acelerar o ritmo da vacinação no Estado, que se reduziu nos últimos dias justamente pelas dificuldades no acesso a essas localidades. “Nós estamos ampliando as ações de vacinação contra a Covid-19 e, simultaneamente, as vacinas de rotina do calendário do Ministério da Saúde com a campanha de vacinação contra a Influenza também. Com as dificuldades que nós temos de chegar em comunidades mais longínquas nós aproveitamos a parceria da FAS para fazer essa ação”, destaca.

Moradora da comunidade, a professora Elizangela Cavalcante foi a primeira pessoa a ser vacinada durante a ação. Emocionada, ela elogiou a iniciativa do Governo do Estado em amparar os ribeirinhos.

“Muito importante essa parceria, ela dá a oportunidade para nós ribeirinhos acreditarmos que nossa saúde também é importante, que nossa vida também é importante, que nós não estamos aqui abandonados, que o governo olha pra gente e faz alguma coisa por nós também, assim como ele se preocupa com a cidade, ele também se preocupa com as RDS, então, hoje, aqui na RDS Uatumã a gente teve esse privilégio”, diz a ribeirinha.

O projeto 

No início de abril de 2021, um documento elaborado pelo Comitê Orientador do Projeto SUS na Floresta, executado pela FAS, reuniu recomendações a diferentes órgãos, propondo aos Programas Estaduais de Imunização na Amazônia e ao Programa Nacional de Imunização a cobertura vacinal das comunidades ribeirinhas por recortes territoriais.