Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – O jornalista e repórter da AGÊNCIA CENARIUM, geradora de conteúdo da REVISTA CENARIUM, e correspondente em Rondônia para a TV Cultura, Iury Lima, participa, na próxima segunda-feira, 29, da bancada de entrevistadores do Roda Viva, considerado o programa mais tradicional do País. O episódio vai ao ar, às 22h, no canal 2.1, no site da emissora, no canal do YouTube e nas redes sociais Twitter e Facebook.

Iury Lima participa do programa Roda Viva, da TV Cultura (Arquivo Pessoal/Reprodução)

“Confesso que nunca imaginei ter a oportunidade de estar entre os entrevistadores da bancada do programa. Assisto ao Roda Viva desde que comecei a me interessar por jornalismo, ainda na adolescência. Recebo este convite com muita felicidade e gratidão, mas sabendo também que é uma grande responsabilidade representar não só a Revista Cenarium, mas também a região Norte e a Amazônia”, declarou Iury emocionado por poder participar do programa.

Veja também: CENARIUM participa do programa ‘Roda Viva’, da TV Cultura Brasil, em SP

Questionado sobre como foi para a família saber que ele vai estar no Roda Viva, Iury brincou e disse que todos ficaram mais felizes e ansiosos que ele.

“Todo mundo vibrou! Meu pai e minha irmã, que estão me visitando, pareciam ter ficado mais felizes e ansiosos do que eu (risos). Liguei para minha mãe, que mora no interior do Estado, e contei a novidade. Ela foi a pessoa que mais fez festa, e não seria diferente, sendo filho de uma professora que ligava a TV todos os dias, na minha infância. Meu esposo Lucas e minha sogra também ficaram muito felizes. Todos estão na torcida”, contou o jornalista.

O programa

Apresentado pela jornalista Vera Magalhães, o programa Roda Viva é reconhecido, nacionalmente, por ‘sabatinar’ os entrevistados que vão ao encontro, levantando pautas relevantes para o País e para o mundo, principalmente, sobre assuntos pertinentes à sociedade.

A edição de segunda-feira, 29, terá na bancada de entrevistadores Alice Pataxó, ativista indígena e comunicadora; Natalie Unterstell, presidente da Talanoa, colunista da Reset e articulista da Americas Quartely; Daniela Chiaretti, repórter especial do Valor Amazônico; Luana Genot, empresária e CEO do Instituto ID_BR, além de Iury Lima.

Os entrevistados serão a ativista indígena Txai Suruí e Almir Suruí, da etnia Paiter-Suruí. A jovem foi a única indígena brasileira a discursar na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), realizada em novembro deste ano, em Glasgow, na Escócia. Seu pai, o líder indígena Almir Suruí, é uma das vozes mais conhecidas das populações indígenas de Rondônia, onde nasceram, e um forte crítico do Governo Jair Bolsonaro.

Debate

Para Iury Lima, o Roda Viva será a oportunidade de ampliar os debates já promovidos por meio das reportagens produzidas para a Cenarium. O jornalista afirma que vem se preparando para falar sobre o protagonismo dos povos indígenas, no centro das discussões sobre mudanças climáticas, e como é possível aprender com as populações tradicionais para salvar os recursos naturais do Brasil.

O jornalista afirma que vem se preparando para falar sobre o protagonismo dos povos indígenas (Reprodução/Arquivo Pessoal)

“Também penso em bater na tecla do garimpo ilegal, principalmente, depois das notícias que circularam o mundo sobre a corrida de garimpeiros sobre o Rio Madeira, que passa pelos Estados do Amazonas e Rondônia. Txai Suruí e Almir, certamente, têm muito a dizer e a alertar sobre isso, principalmente, porque o governo de Rondônia, estado-lar dessas duas importantes lideranças, tem projeto para legalizar a mineração de ouro nos rios daqui”, reforçou.

“São muitos os assuntos e a duração do programa é pouca para falar sobre tudo o que gostaríamos. Mas uma coisa é certa: não há melhores personagens para ouvir do que aqueles que vivem harmoniosamente com a natureza, há seis mil anos, como é o caso dos Paiter-Suruí”, concluiu Iury Lima.