Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
18 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Gabriel Abreu – Da Cenarium

MANAUS – A AGÊNCIA CENARIUM, geradora de conteúdo da REVISTA CENARIUM, venceu, nesta semana, um processo para que a reportagem investigativa contra a esposa do vice-governador, Carlos Almeida (PSDB), a estudante Tarciana Almeida, voltasse a ser veiculada nos canais de comunicação da empresa. A decisão foi proferida pela Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no dia 27 de setembro.

O relator do caso, o desembargador João Simões, acatou os argumentos da defesa da CENARIUM para que a empresa de comunicação publicasse, novamente, a matéria investigativa divulgada no dia 31 de maio. A ação que pedia a retirada foi impetrada pelo ex-companheiro de Tarciana, o empresário Glênis Gomes Steckel.

Leia mais: MP processa mulher de vice-governador do AM, juiz absolve e promotor recorre após omissão

Decisão

O desembargador atendeu os argumentos do advogado da CENARIUM, Christian Naranjo, alegando que a decisão do magistrado de primeira instância – que pediu a retirada da reportagem – infligiu o direito da liberdade de informação.

João Simões considerou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia julgado uma ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF). A ADPF é uma ação de controle concentrado de constitucionalidade trazida pela Constituição Federal de 1988 e tem como finalidade o combate a atos desrespeitosos aos preceitos fundamentais da Constituição.

“O Supremo Tribunal Federal proibiu enfaticamente a censura de publicações jornalísticas, bem como tornou excepcional qualquer tipo de intervenção estatal na divulgação de notícias e de opiniões, de modo que a reparação de eventual lesão a direito de personalidade deve prestigiar os meios de retificação, de direito de resposta ou de indenização”, argumentou o magistrado nesta decisão.

Trecho da decisão favorável à CENARIUM (Reprodução/Internet)

Em seu voto, o desembargador considerou também que o juízo de primeira instância violou a autoridade das decisões do STF e considerou como censura a retirada do conteúdo jornalístico. A decisão foi seguida por todos os desembargadores que compõem a Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas.

“Desta feita, tem-se que a decisão recorrida não deve ser mantida, pois violou a autoridade das decisões do Supremo Tribunal Federal – na ADPF 130 – ao determinar a censura prévia, ou seja, a retirada (proibição de veiculação) de matéria jornalística dos meios de comunicação, sem privilegiar uma possível sanção a posteriori da parte agravante. Forte nessas razões, é impositivo conhecer e dar provimento ao presente Agravo de Instrumento, a fim de indeferir o pedido de liminar requerido nos autos de primeiro grau”, votou o desembargador.

Trecho da decisão favorável à CENARIUM (Reprodução/Internet)

Argumentos

O advogado e consultor jurídico da CENARIUM, Christhian Naranjo, afirmou que os desembargadores entenderam que a reportagem não infligiu a idoneidade do empresário citado na reportagem.

“Alegamos que a matéria tratava de liberdade de informação, de reprodução fiel dos fatos do processo criminal, sem juízo de valor ou subjetivismo. Arguimos ainda que a decisão ia contra entendimento pacificado pelo STF que entende que se deve garantir o direito de divulgação da notícia, devendo o interessado se valer de outros. E o desembargador acatou nossos argumentos e revogou a ordem que determinou a retirada, e não a censura, para postular direitos que considere tenham sido violados”, explicou Naranjo.

Apuração baseada em provas

Juristas consultados avaliaram que a apuração do material veiculado é feita com base em informações reais e provas. A CENARIUM ressalta que atua de forma ética, transparente, pautada na verdade, publicando matérias com dados e embasadas por meio da opinião de vários especialistas, técnicos, além do posicionamento de órgãos controladores e fiscalizadores do Estado, como ocorreu com as reportagens que citam Glênis Gomes Steckel.

Veja a decisão na íntegra: