Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Iury Lima – Da Cenarium

VILHENA (RO) – O Governo de Rondônia confirmou à CENARIUM, nesta quinta-feira, 26, que vai vacinar idosos acima de 70 anos, a partir do próximo mês contra a Covid-19, com uma terceira dose de imunizantes recomendados pelo Ministério da Saúde (MS), a chamada “dose de reforço”.

A decisão da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa/RO) condiz com a determinação do MS, que estabeleceu dois grupos prioritários aptos a receber mais uma dose de vacina, justamente os idosos e pessoas com baixa imunidade, os imunossuprimidos. Enquanto isso, a prefeitura da capital Porto Velho diz que tal alternativa para a cidade ainda está em análise.

De acordo com o anúncio feito pelo Ministério da Saúde nessa quarta-feira, 25, as doses devem começar a ser enviadas aos estados em 15 de setembro. Na Amazônia Legal, o Pará ainda não deu sinalização sobre a adesão à determinação do governo federal, sendo que no Estado, apenas a prefeitura de Belém confirmou que vai oferecer doses de reforço. Já o Tocantins, aguarda mais detalhes do ministério. 

Rondônia confirmou, nesta quinta-feira, que vai aderir à aplicação de uma terceira dose (Reprodução/Prefeitura de Vilhena)

Reforço confirmado

Questionado pela reportagem, o Governo de Rondônia disse que segue as diretrizes do Ministério da Saúde e por isso deve seguir o cronograma de aplicação da dose de reforço, priorizando os imunizantes da Pfizer, AstraZeneca e Janssen.

“Dessa forma, iniciará, no mês de setembro, a 3ª dose (de reforço) em idosos com 70 anos que completaram o esquema vacinal há mais de 6 meses e em pessoas imunossuprimidas, que devem esperar pelo menos 28 dias após a 2ª dose”, informou o Estado, em nota, por meio da Agevisa/RO.

O governo informou ainda que a vacinação “depende dos imunizantes enviados pelo MS, para cumprimento das diretrizes estabelecidas no Plano Nacional de Imunização (PNI), seguidas à risca pelo Governo do Estado de Rondônia”.

Em Porto Velho, jovens são prioridade

Também em resposta à CENARIUM, a Prefeitura de Porto Velho informou que ainda não tem previsão de uma data para começar a oferecer a dose de reforço para esses dois públicos.

A prioridade na capital rondoniense, por hora, é a imunização de jovens e adolescentes. “De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, neste momento acontece a aplicação da primeira dose para o público acima de 12 anos. Como a demanda deste público é grande, a secretaria continuará na próxima semana com o foco na imunização dos adolescentes”, informou por meio de nota. “Sobre a terceira dose, a ação deve ser definida nos próximos dias”, finalizou o esclarecimento.

Na Amazônia Legal

Até o momento, Rondônia foi o último Estado inserido na Amazônia a sinalizar a confirmação da aplicação de doses de reforço. Dessa forma, o Estado se junta ao grupo formado pelo Amazonas, Acre, Amapá, Roraima, Maranhão e Mato Grosso.

O Governo do Pará ainda não deu pronunciamento oficial sobre o assunto, mas a Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma), procurada pela reportagem, informou que aguarda o repasse dos imunizantes pelo Ministério da Saúde e que “só deverá  divulgar esse calendário – específico para o reforço vacinal com a aplicação da 3ª dose do público elencado pelo MS -, quando receber efetivamente essas doses.

Por fim, o Tocantins ainda aguarda mais esclarecimentos da pasta federal. “A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que segue, de forma irrestrita, todas as orientações do Ministério da Saúde (MS). No momento, aguarda documento oficial a ser emitido pelo referido órgão, acerca da redução do prazo de aplicação dos imunizantes em públicos específicos, como também, regramentos e os referenciais logísticos para operacionalização das novas determinações governamentais”, escreveu o governo, por meio da SES, em resposta à CENARIUM.