Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Iury Lima – Da Revista Cenarium

VILHENA (RO) – Considerada a maior disputa cafeeira do Brasil, o Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé) abriu nessa segunda-feira, 31, inscrições gratuitas para a sexta edição do evento, com previsão de término para 13 de agosto. O concurso vai ocorrer no mês de novembro deste ano e desde já justifica a fama no País inteiro por conta da qualidade, técnicas de sustentabilidade e produção do Café Robusta.

O Robusta amazônico produzido em Rondônia – corresponde à espécie do Café Canéfora (Coffea canephora), comumente confundida com o Conilon, outra variedade do mesmo grupo – leva ao paladar propriedades que o faz pontuar como café especial, quase sempre acima da média de 80 pontos. Por isso, o Concafé, desde 2016, incentiva pequenos e grandes agricultores a investir na produção de qualidade, melhorando a fama fora do Estado e entregando prêmios aos donos dos cafés mais saborosos e bem cultivados de cada temporada. 

Análise sensorial do café, uma das fases do concurso que avalia a qualidade e a sustentabilidade da produção dos grãos e da bebida. (Reprodução/Governo de Rondônia)

Inscrições

Todos os cafeicultores de Rondônia podem participar. Para isso, é necessário preencher a ficha de inscrição e finalizar o ato, presencialmente, separando 5 kg de café e entregando 3 kg desse total em qualquer escritório da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater/RO) entre as 52 cidades.

O edital e o regulamento do concurso estão disponíveis na página da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri). Também é preciso apresentar e entregar cópias do RG e CPF, além de documentos que comprovem a posse da propriedade onde o café foi produzido.

Premiação

Os juízes do concurso devem considerar a qualificação física dos grãos e o sabor da bebida, levando em conta 10 atributos. Neste ano, serão sete prêmios, três a mais que em 2020. Somados, ultrapassam R$ 300 mil; veja:

1º lugar: 1 trator cafeeiro avaliado em R$ 185.000,00;
2º lugar: 1 estufa secadora de café avaliada em R$ 110.000,00;
3º lugar: 1 torrador de café avaliado em R$ 19.000,00;
4º lugar: R$ 15.000,00 em crédito para aquisição de produtos;
5º lugar: R$ 10.000,00 em dinheiro;
6º lugar: 50 toneladas de calcário;
7º lugar: 50 toneladas de calcário + certificação honrosa de sustentabilidade.

Café

No ano passado, 214 cafés de todo o Estado foram inscritos no concurso e 122 pontuaram como especiais, acima da média de 80 pontos. Na 5ª edição, o primeiro prêmio, também um trator cafeeiro, foi entregue a uma mulher: a cafeicultora Luciana Franklin, de Novo Horizonte do Oeste, cidade a 504 quilômetros de Porto Velho.

O café cultivado por Luciana, ao centro da foto, atingiu 90,42 pontos, com aroma floral de jasmim e sabor com toques de mel de cana e uva. (Esio mendes/Reprodução)

Também houve destaque para a produção do café indígena, com a premiação de Tawãn Aruá, em 3º lugar, que levou R$ 15 mil. O café cultivado em sua aldeia apresentou sabor vinhoso, com toques de maracujá, carambola e acidez, de acordo com a equipe julgadora, atingindo a nota de 88,08. A cerimônia de entrega dos prêmios aconteceu em Cacoal, cidade chamada de “Capital do Café” por seu destaque na produção, em Rondônia.

Tawãn é da etnia Aruá, povo indígena que vive no sul de Rondônia, nas proximidades dos rios Guaporé e Rio Branco. (Esio Mendes/Reprodução)

Boa hora

O período de abertura do sexto Concafé vem de encontro ao momento favorável para que os produtores enviem suas amostras, visto que a colheita começou em 10 de abril, quando pelo menos 80% dos frutos das plantações já estavam maduros, de acordo com a Seagri.

Rondônia é o Estado que mais produz café na Região Norte do País, ficando em 5º lugar em relação ao restante do Brasil. A expectativa para 2021 é de que os mais de 22 mil cafeicultores produzam 2 milhões de sacas de 60 kg, em 65.034 hectares de lavouras. 

Saiba mais sobre o café de Rondônia