Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
27 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Marcela Leiros – Da Cenarium

MANAUS – As aulas presenciais no Ensino Médio da rede estadual de ensino em Roraima retornarão na próxima segunda-feira, 20, mesmo com a vacinação contra Covid-19 neste público sendo considerada baixa no Estado. Dos 21.363 alunos matriculados, apenas 316 primeiras doses foram aplicadas no público-alvo de 15 a 17 anos, segundo levantamento feito nesta quarta-feira, 15, no Vacinômetro Covid-19.

Segundo o Governo de Roraima, as aulas presenciais voltarão de forma gradual, porém com a permanência do ensino remoto. Além do Ensino Médio, retornam também as aulas da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ainda segundo o governo estadual, “o público inicial para o retorno foi definido em função da terminalidade da etapa de ensino, com estudantes se preparando para o Exame de Ensino Médio (Enem), vestibulares e outros certames, levando ainda em consideração o avanço da vacinação, em especial para os estudantes da EJA, que já é um público adulto”.

Leia também: ESPECIAL | Eles fizeram a Amazônia de cobaia – Vacinação desacelera pandemia

O Censo da Educação Básica em Roraima mostra que são 17.132 alunos matriculados no Ensino Médio na zona urbana dos municípios, 1.824 na zona rural e 2.407 em comunidades indígenas. Do “lado” da vacinação, além das 316 primeiras doses aplicadas no público já citado, apenas uma segunda dose foi aplicada. Na faixa etária de 12 a 14 anos, que engloba alunos do Ensino Fundamental, são 219 primeiras doses e, também, apenas uma segunda dose. Nenhum imunizante dose única foi aplicado nestes públicos.

Arte: Catarine Hak/ Cenarium
Arte: Catarine Hak/ Cenarium

No grupo prioritário de “trabalhadores da educação”, apenas 1.774 em todo o Estado têm a cobertura vacinal completa, com a aplicação da segunda dose e do imunizante de dose única.

O epidemiologista do Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz Amazônia), Jesem Orellana, pontua que os riscos da baixa cobertura vacinal – ou esquema vacinal completo – coloca em risco tanto adolescentes quanto adultos. “O que nós temos visto na realidade é um padrão de baixas coberturas vacinais, ou seja pouca gente com esquema completo da vacinação contra Covid-19 na população adulta, e quase ninguém vacinado nesse grupo [adolescentes]. Ou seja, pouca gente protegida contra a Covid-19 para casos graves e óbitos”, disse o pesquisador.

Retorno com cuidados

Por outro lado, Jesem Orellana pontuou que os maiores riscos que a Covid-19 apresenta são para a faixa etária de 60 anos ou mais e, portanto, é imprescindível que este público esteja 100% imunizado contra a doença, assim como o público de 18 a 59 também que também se mostrou mais vulnerável.

“Mesmo que os adolescentes e as pessoas da EJA sejam expostos ao coronavírus, dificilmente vão a óbitos ou serão internados por Covid-19, porque já sabemos que esse vírus tem uma letalidade muito mais baixa em adolescentes e crianças quando comparadas a idosos. Essa seria a justificativa de você ter uma boa cobertura vacinal nos adultos, em geral acima de 60%, 70%, e geraria uma proteção no nível populacional que de certa forma nos deixaria menos preocupados com os adolescentes que estão no ensino presencial”, manifestou.

Leia também: Infectologistas destacam importância de vacinação contra a Covid-19 após estudo da USP

Protocolos

Segundo o Governo de Roraima, a retomada de atividades seguirá uma série de adaptações como o uso obrigatório de máscara pelos estudantes e servidores, higienização das mãos, distanciamento social e horários diferenciados de recreio. As escolas também estão orientadas sobre as medidas que devem ser adotadas caso identifiquem algum estudante com sintomas gripais.

Na EJA são 7.952 estudantes matriculados, sendo 6.329 na zona urbana dos municípios, 148 na zona rural e 195 em comunidades indígenas. Retornarão às salas de aula presencialmente, no momento, o total de 29.315 estudantes.

A reportagem entrou em contato com o Governo de Roraima, por meio do e-mail, questionando sobre quais as ações do governo estadual em relação à baixa cobertura vacinal dos adolescentes, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.