4 de março de 2021

Com informações da CNN

A prefeitura de São Paulo confirmou na noite de sábado, 13, o primeiro caso de uma pessoa infectada com a variante P.1 do novo coronavírus, originária em Manaus, em paciente que vive na capital paulista e não esteve no Amazonas. O diagnóstico foi realizado pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP).

Diante da descoberta, especialistas da Coordenadoria de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal da Saúde, alertaram a população sobre a maior transmissibilidade dessa variante e recomendaram a busca imediata de serviço médico em caso de sintomas da doença como tosse, febre, dor de cabeça, entre outros.

“O caso identificado apresentou sintomas leves de Síndrome Gripal, não necessitando de internação”, informou a prefeitura, em nota. O exame foi realizado na sexta-feira, 12. “Desde o final do mês de janeiro, quando surgiu  a variante de Manaus em pacientes vindos de Manaus, a Prefeitura de São Paulo destinou de imediato o Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, Zona Oeste da capital, para tratamento desta nova variante”, completou o governo municipal.

Neste hospital, a prefeitura reservou dez leitos, totalmente isolados, para que os pacientes possam ser atendidos, com a possibilidade de ampliar o espaço em caso de necessidade. A variante P.1 do novo coronavírus pode reduzir a capacidade dos anticorpos de neutralizar a ação do vírus, segundo observação feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em boletim epidemiológico semanal divulgado na terça-feira, 9.

Antes de ser detectada em São Paulo, a nova cepa do novo coronavírus tinha sido encontrada em ao menos 10 cidades do Amazonas, além da capital Manaus. Além disso, pesquisadores a linhagem P.1 foi identificada em 91% das amostras de pacientes do Amazonas com código genético sequenciado em janeiro deste ano.

Segundo a Fiocruz Amazônia, também foram identificadas 18 novas linhagens com uma análise de 250 genomas do novo coronavírus de pacientes do Estado. Para o médico infectologista Marcus Barros, que atua na linha de frente da Covid-19 em Manaus, a variante precisa ser estudada enquanto a imunização ocorre de forma acelerada.

“Ao mesmo tempo, deve-se buscar com a maior brevidade uma vacina mais específica contra a variante”, alerta o especialista. Na quinta-feira, 11, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que a variante P1 é três vezes mais contagiosa que o vírus original. No entanto, as vacinas continuam obtendo resultado, segundo ele.