Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do site So Científica

ISRAEL- Sarcófagos encontrados pela primeira vez há 25 anos são caixões de calcário adornados com símbolos greco-romanos e estavam esquecidos. Trabalhadores que estão construindo uma nova ala do hospital de vida selvagem no Ramat Gan Safari Park, em Tel Aviv, recentemente encontraram os dois sarcófagos de 1.800 anos.

Mesmo eles tendo sido descobertos décadas atrás, acabaram sendo esquecidos como enormes caixões de pedra. Uzi Rotstein, da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA), disse que o empreiteiro original não entendia o que eles eram.

Em relato no Times of Israel, os trabalhadores descobriram os sarcófagos pela primeira vez durante a construção de um estacionamento. A partir disso, a equipe mudou os caixões para uma parte diferente do local.

Os grandes caixões estavam decorados com guirlandas de flores e discos (Autoridade de Antiguidades de Israel)

Localização

Aparentemente, um dos caixões foi danificado ao ser descoberto  inicialmente, levando alguém a tentar reparar os danos com concreto. Quando o projeto do hospital de vida selvagem trouxe os trabalhadores de volta à área, os sarcófagos estavam cobertos de areia e vegetação.

Apesar de ser uma localização densamente povoada a leste de Tel Aviv, o parque cobre 250 acres e é principalmente configurado como um espaço natural recriado no qual animais africanos vagam livremente enquanto os visitantes exploram de carro. O parque também tem um zoológico tradicional.

Os caixões de 2,5 metros de comprimento foram feitos com calcário extraído de colinas próximas. De acordo com uma declaração dos arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel, seu design é parecido com o de sarcófagos de mármore encontrados no que é hoje Mármara, na Turquia.

Concluindo, os grandes caixões estavam decorados com guirlandas de flores e discos – um símbolo religioso projetado para proteger o falecido na vida após a morte – comumente usado durante os períodos grego e romano. Também são visíveis formas ovais em branco que normalmente seriam preenchidas com cachos de uva, mas aparentemente não foram concluídas.