Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Da Revista Cenarium*

BOA VISTA – Roraima receberá um sensor de qualidade do ar para monitoramento de fumaça decorrente de queimadas, com objetivo de impedir o alastramento do fogo. A ferramenta foi doada ao Ministério Público Estadual (MPRR) durante reunião dos procuradores-gerais de Justiça da Amazônia Legal. O evento ocorreu na quarta-feira, 12, em Belém.

Durante a reunião de procuradores-gerais, os Ministérios Públicos que integram a Amazônia Legal receberam a doação do equipamento denominado “sensor de qualidade do ar a laser”, que se destina ao monitoramento da qualidade do ar na Amazônia Legal. 

O equipamento foi doado pelo Ministério Público do Acre (MPAC) e viabilizado pelo Centro de Pesquisa de Wods Hole, do pesquisador da UFAC, professor Forter Brown. A informação é que o aparelho medidor auxilia no monitoramento da fumaça decorrente das queimadas e qualquer cidadão poderá acessar as informações através da internet.

“Com essa doação, os estados do Pará, Amazonas, Rondônia, Amapá, Tocatins, Roraima, Mato Grosso, e Maranhão, passam a realizar, assim como o Acre já realiza, o monitoramento da ocorrência de queimadas em tempo real, possibilitando o combate a incêndios, por parte dos órgãos de fiscalização e responsabilização”, destacou a Procuradora-geral do MPAC, Kátia Rodrigues.

Para a procuradora-geral de Roraima, Janaína Carneiro Costa, a cooperação técnica entre os MPs tem sido uma importante ferramenta para a efetiva fiscalização no desmatamento e degradação do meio ambiente nos Estados da Amazônia legal. 

“Roraima possui vegetação diferenciada em relação aos demais estados da região norte. Por ser em grande parte vegetação de lavrado, no período do verão, ocorrem queimadas de proporções gigantescas, causando grande prejuízo ambiental e à saúde, notadamente com a chegada da covid-19. Esse sistema disponibilizado pelo MPAC irá auxiliar o nosso MPRR no monitoramento das queimadas”, afirmou a Procuradora-geral.