Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

As pessoas são muito acostumadas a ter problemas e já pensar logo em ajuizar uma ação judicial.

Já são chavões: “Te vejo na Justiça” “Você vai se entender com o juiz”

Mas você sabia que há muitas outras formas de se resolver um litígio?

Como todos sabem, o Poder Judiciário está abarrotado de ações.

 Tudo demora muito, as custas são caras, se você perder a ação ainda pode ser condenado a pagar os honorários do advogado da parte contrária e inevitavelmente, há um grande desgaste emocional para quem tem um processo na justiça.

É importante que as pessoas desarmem os espíritos e tentem resolver as questões de forma consensual, podendo haver a mediação por advogados.

Podem-se fazer notificações, termos de acordo e algumas medidas que antigamente somente eram resolvidas na Justiça, agora podem ser realizadas em Cartórios de notas, como por exemplo, divórcios e inventários.

Além disso, consultas preventivas com advogados especialistas podem ajudar demais a evitar problemas.

Vejo pessoas que, às vezes, por não querer contratar um advogado previamente, acabam por vezes, entrando em algumas “canoas furadas” que se tornam verdadeiros naufrágios na vida delas.

Nós da Oleare e Torezani somos entusiastas da advocacia extrajudicial.

É mais econômico, mais rápido, mais tranquilo para os clientes e  por isso, em grande parte dos casos, a melhor solução.

Sempre consulte um advogado de sua confiança, isso pode te prevenir muitos aborrecimentos.

(*) Flávia Oleare é advogada civilista, especialista em direito de família e sucessões. É membro da Comissão de Direito de Família e Sucessóes e da Comissão de Idosos da OAB. Sócia do escritório Oleare e Torezani Advocacia e Consultoria.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.