22 de janeiro de 2021

Mencius Melo – Da Revista Cenarium

MANAUS – Quebrar estereótipos e desconstruir visões distorcidas sobre a urbanidade amazônica é um dos objetivos da série ‘Calendário de Letícia’. Já em fase de pré-produção, a obra é assinada por Lídia Ferreira e Anne Lise e foi contemplada pelo ‘Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2020’, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), com recursos emergenciais da Lei Aldir Blanc.

A obra é uma moderna comédia dramática sobre as aventuras de jovens trintões. No centro da trama está a personagem Letícia, uma mulher comum que usa dos recursos disponíveis no cotidiano, para assegurar sucesso em sua eterna busca pela felicidade. O desenrolar das situações ora cómicas, ora dramáticas dão o tom da obra que é completamente ambientada na Amazônia.

Apresentar uma Manaus urbana e florestal, essa é uma das ideias da série ‘Calendário de Letícia’ (Reprodução/Acervo Pessoal)

Por conta do contexto pandêmico, a produção não arrisca dizer uma data para estreia. A reportagem da REVISTA CENARIUM conversou com a jornalista e roteirista amazonense Lídia Ferreira sobre a série, que comentou sobre a paixão por cinema. “Cada artista tem sua linguagem, sua área de atuação. Embora eu seja jornalista há 13 anos, onde a realidade é a ferramenta de trabalho, sempre fui muito da área cultural”, relembrou.

Talento surpresa

No desenrolar das aulas de um curso, a jornalista descobriu a facilidade para criar roteiros com cargas cômicas. A descoberta do talento até então adormecido, levou Lídia a pensar em buscar meios para lapidar o dom. “Fui editora e repórter de cultura. Iniciei uma faculdade de dança e nas aulas de roteiro me surpreendi com a facilidade em escrever comédia. Não foi algo que planejei muito, fui descobrindo”, revelou Ferreira.

Orgulhosa das origens, Lídia comentou a ideia de ambientar a trama em Manaus. “Queria falar da cidade e de nós, mulheres manauaras, por outro viés, da ficção e humor. Além da nossa cultura e gastronomia rica e totalmente diferente, não tem outra no mundo. Acredito que o mais difícil tem sido eu, como pessoa, arranjar forças para escrever diante de toda essa calamidade na nossa cidade”, lamentou.

A amazonense Lídia Ferreira agora também é produtora de cinema na primeira viagem no audiovisual (Reprodução/Acervo Pessoal)

“Sou manauara então, é meu lugar de fala. Outro ponto essencial foi que ao estudar cinema fora de Manaus, o que mais eu ouvia era ‘você nem parece do Amazonas, eu imaginava outra coisa de lá’. Como assim pensam que eu me visto igual cunhã-poranga? Como ainda me perguntam se temos wi-fi?”. Essas inquietações me levaram a estudar o imaginário amazônico no cinema no mestrado de cinema e artes do vídeo”, confessou.

Visão de mundo

Os primeiros choques culturais acenderam em Lídia a vontade de mergulhar ainda mais na procura por explicações sobre o “olhar de fora” ou as construções imaginárias para a Amazônia a partir de suas urbanidades. “Estudar as imagens me fez perceber que há um olhar eurocêntrico sobre a nossa região. Isso destoa do que somos, do que vivemos, da nossa essência, principalmente em se tratando das cidades amazônicas”, observou.

A sul-mato-grossense Anne é uma produtoras da série ‘Calendário de Letícia’ (Reprodução/Divulgação)

Ao mesmo tempo que o “lugar comum” incomoda, a curiosidade abre espaço para possibilidades. “As pessoas têm vontade de conhecer mais a gente. As produções audiovisuais estão muito centralizadas no eixo Rio-São Paulo há muito tempo, o Brasil é muito maior que isso. Precisamos expandir nosso olhar, valorizar nossa diversidade”, destacou a jornalista.

Questionada se a ideia é negar peculiaridades, Lídia respondeu. “De forma alguma a proposta é negar. Pelo contrário, é valorizar e principalmente, mostrar o que somos hoje, na contemporaneidade.  A série propõe um ‘F5’ nesse olhar idílico e romântico da ‘cidade no meio da floresta’. A mídia reforça estereótipos todo tempo. A questão é: somos isso, mas somos mais que isso, somos floresta, cidade, caos urbano, cultura e folclore”, resumiu.

Letícia na berlinda

Sobre a personagem Letícia, a roteirista explicou. “Acho que ela não quer ‘pagar’ de moderna. Ela é moderna! Nós em Manaus somos modernos e florestais ao mesmo tempo. Todo mundo tem celular, faz tik tok e vai mergulhar no flutuante no fim de semana. Tomamos remédios industriais, mas não vamos abrir mão do mastruz com leite ou de qualquer outra receita ‘das antigas’ para garantir a nossa saúde”, desnudou.

“A gente pega engarrafamento proporcional ao de São Paulo, mas fim de tarde, em muitos bairros da cidade de Manaus, gosta de sentar na calçada para conversar e tomar tacacá. Isso é o jeito manauara de ser, essa mistura florestal e urbana. E no amor, não poderia ser diferente, né? Difícil encontrar alguém que nunca usou um truque, nem que seja no dia de Santo Antônio”, finalizou Lídia. 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.