Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

MANAUS – Após o novo reajuste no preço do gás de cozinha e dos combustíveis anunciado pela Petrobrás nesta segunda-feira, 1º, o Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM) defende uma política de preço justa ao cidadão e o fim da Paridade de Preço Internacional (PPI), medida aplicada na Petrobrás desde 2016. 

O novo reajuste de preço nas refinarias eleva em 5% o valor da  gasolina, diesel e gás de cozinha a partir desta terça-feira, 2. Somente em 2021, o gás de cozinha teve o terceiro reajuste, o diesel o quarto e a gasolina e o álcool tiveram o quinto reajuste.

Para o Sindipetro-AM, os reajustes são consequências da política de preços aplicada na Petrobrás que acompanha as variações do mercado internacional e impacta diretamente o cidadão. A dependência do valor internacional pode ocasionar mais reajustes durante 2021. 

O Sindipetro-AM afirma que existem alternativas para as crises dos combustíveis. Entre as alternativas, é importante que a Petrobrás interrompa o processo de venda das refinarias, retome as operações das refinarias em suas capacidades totais de produção e também adote critérios nacionais para precificação de combustíveis.

Desde 2019, como medida para iniciar o processo de venda das refinarias, a Petrobrás diminuiu a capacidade de produção da Refinaria Isaac Sabbá – Reman, também conhecida como Refinaria de Manaus, que funciona apenas com 50% da capacidade de produção total.

O Sindipetro-AM, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e mais 12 sindipetros filiados combatem os reajustes dos preços em relação ao mercado internacional.