Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
18 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Estadão

SÃO PAULO – O Plenário do Supremo Tribunal Federal vai analisar uma queixa-crime apresentada contra o presidente Jair Bolsonaro por suposto crime de genocídio em razão do veto, em um projeto de lei editado para o combate à pandemia da Covid-19, a dispositivo que previa o acesso universal à água potável nos territórios indígenas e nas comunidades quilombolas, tradicionais e de pescadores artesanais.

A ministra Carmén Lúcia pediu ao presidente da corte, Luiz Fux, que o caso fosse incluído na pauta de julgamentos, mas ainda não há data marcada para a discussão.

O pedido de Carmén foi registrado no dia 9 de março, quatro meses depois de a ministra ter determinado, seguindo parecer da Procuradoria-Geral da República, o arquivamento da notícia-crime que foi apresentada à corte pelo advogado André Magalhães Barro.

O advogado sustentava que Bolsonaro tinha ‘total consciência de que vetar aos povos indígenas e às comunidades quilombolas o acesso universal à água potável, no meio da pandemia da covid-19, é crime de genocídio’.

Ao pedir ao STF o arquivamento da queixa-crime, o chefe do Ministério Público Federal, Augusto Aras, sustentou que não havia como concluir que o presidente, quando vetou o dispositivo da Lei 14.021/2020 sobre o acesso à água potável, ‘fora movido pelo dolo específico do crime de genocídio, consistente na intenção de exterminar grupo(s) humano(s)’.

Segundo o PGR, o veto ocorreu ‘pelo fato de não ter sido feita a estimativa do impacto orçamentário e financeiro da despesa decorrente da disponibilização de água potável para comunidades tradicionais’

O advogado André Magalhães Barros recorreu da decisão de arquivamento, argumentando que, considerando o parecer do PGR, havia duas opções para Carmén: seguir a manifestação pelo arquivamento do caso ou submeter a solicitação ao Plenário da corte.

No recurso, o advogado reiterou as acusações contra o presidente, frisando: “Ninguém sobrevive sem água. Negar aos povos indígenas e comunidades quilombolas o acesso universal à água potável é matar”.

O caso acabou sendo enviado ao Plenário virtual da corte, no qual os ministros depositam seus votos eletronicamente, sem as discussões. O julgamento do caso teve início no dia 11 de dezembro, mas três dias depois, o ministro Edson Fachin pediu destaque, enviado o caso para análise dos ministros em sessão que atualmente é realizada por videoconferência, em razão da pandemia de covid-19.