2 de março de 2021

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS- O policial militar Jeremias Silva, suspeito de assassinar a transexual Manuela Otto de 25 anos em um motel na Zona Norte de Manaus, se entregou no final da manhã desta terça-feira, 16, na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). O PM se apresentou acompanhado do advogado, após as câmeras de vigilância do motel onde ocorreu o crime captarem as imagens do veículo que, segundo a polícia, está registrado em nome do suspeito.

Veja também: Comunidade trans lamenta morte de Manuela e repudia a abordagem pejorativa de inúmeros portais de notícias

Mesmo com as imagens das câmeras mostrando todas as etapas de fuga do suspeito do local do crime, Jeremias se reservou ao direito de ficar calado. Ele não se manifestou para ajudar nas investigações, que já estão em andamento. As autoridades policiais também se fecharam quanto ao conteúdo das investigações do homicídio de Manuela Otto e pouco foi repassado à imprensa.

De acordo com o delegado titular da DEHS, Charles Araújo, o PM se negou até mesmo a entregar fotos de seu corpo para ajudar nas diligências, tendo em vista que nas imagens é possível observar que o suspeito possui tatuagem nas costas, mas não foi possível identificar o rosto dele.

O crime

Manuela Otto foi assassinada no último dia 13 de fevereiro, em um motel no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte de Manaus. A trans foi morta com um tiro no tórax e outro no braço. Após os disparos, o suspeito tentou fugir imediatamente do local, mas foi impedido por funcionários que ouviram os disparos.

Nas imagens das câmeras, o suspeito aparece visivelmente alterado usando um sutiã. Ele ameaça os funcionários e, depois de alguns minutos, arromba o portão com o veículo, conseguindo fugir do local.