Estudo europeu de meta-análise indica que não há língua mais complexa que a outra

VOLTAR PARA O TOPO