‘Tem Aldeia na Política’: organizações elaboram material para promover visão crítica de indígenas sobre Eleições 2022

Com informações da assessoria

MANAUS – Com o objetivo de apresentar informações para que os povos indígenas participem de maneira mais crítica e consciente do processo eleitoral, foi produzido o documento “Tem Aldeia na Política – Eleições 2022”. O lançamento oficial do material irá ocorrer na tarde desta quarta-feira, 22 em formato remoto. A publicação foi elaborada pelo Fórum de Educação Escolar e Saúde Indígena do Amazonas (Foreeia) e pela Frente Amazônica de Mobilização em Defesa dos Direitos Indígenas (Famddi), com apoio da Adua.

Nosso compromisso é suscitar, por meio desta publicação, o debate nas comunidades e organizações indígenas, ajudando a refletir sobre a importância das eleições e como elas podem afetar os direitos indígenas”, explicam as entidades na apresentação do material, que é uma versão atualizada do texto publicado pelo Foreeia para as eleições de 2018.

A importância da informação e da discussão, quando o assunto é eleição, é ressaltada pelo professor do povo Mura, Mariomar Moreira de Souza. “Para que possamos, realmente, ter um apoio político devemos fazer uma pesquisa bem elaborada, fazer debates, reuniões com quem conhece, verificar as propostas de quem está sendo apontado. Temos visto, todos os dias, nossos direitos serem arrancados de nós e o que temos feito para que isso não aconteça?”, questiona.

“Tem Aldeia na Política” já está em circulação e em estudo por meio das diferentes atividades desenvolvidas por organizações do movimento indígena (Divulgação)

Aliados

Com 52 páginas, o documento apresenta um quadro com os possíveis aliados(as) à causa dos povos originários e aqueles(as) que, sistematicamente, atuam contra, além de analisar as candidaturas indígenas. Neste âmbito, Mariomar Souza questiona a falta de apoio dos próprios povos aos seus candidatos.

Às vezes, me pergunto: por que os parentes acreditam no branco e desacreditam no próprio parente? Tenho visto isso sempre, falo porque vivi isso na última campanha, onde escutava sempre: vocês não têm experiência, não tem dinheiro, não são conhecidos e isso traz uma certa frustração”, comenta o docente da Aldeia da Trincheira, no município de Autazes (AM), e que foi candidato a vice-prefeito na última eleição.

Por situações como essa, Mariomar ressalta que é fundamental o debate sobre política entre os indígenas para que se consiga o máximo de apoio às causas e à defesa dos direitos dos povos originários.

É preciso ser trabalhado isso com maior intensidade para que possamos tomar decisões certas na hora de decidir quem vai governar, fazer projetos e criar leis e nos defender. Isso deve acontecer desde os vereadores até o presidente. Olha esse que está aí, muitos indígenas apoiaram e o que ele está fazendo?”.

O lançamento oficial do material irá ocorrer na tarde desta quarta-feira, 22 em formato remoto (Divulgação)

No documento, o Foreeia e a Famddi ressaltam também a necessidade de considerar os fatos ocorridos para a tomada de novas decisões. “Queremos aprender com a experiência das eleições passadas e fazer do ano de 2022 um momento importante de formação, aumentando nossa força política e a capacidade de luta do movimento indígena e criando, nos espaços de poder do Estado, um ambiente mais favorável aos nossos direitos e para o bem viver de todos e todas, tendo como referência os ideais e os objetivos da política indígena”, explicam as entidades.

Circulação

Apesar de ser lançado, oficialmente, nesta quarta-feira, com transmissão pelo canal no YouTube (https://bit.ly/3n75NES) e pela página no Facebook (https://bit.ly/3xEK4Jv) do Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena (FNEEI), o “Tem Aldeia na Política” já está em circulação e em estudo por meio das diferentes atividades desenvolvidas por organizações do movimento indígena, segundo a diretora da Adua, professora da Ufam e integrante da Famddi, Elciclei Faria.

A distribuição será a mais ampla possível e até onde nossas pernas alcançarem e são pernas que andam muito, tanto entre e por organizações indígenas e indigenistas quanto no interior das comunidades, por meio de professores e professoras da Educação Escolar Indígena no Amazonas, na Amazônia e no Brasil, por meio dos homens e das mulheres que militam na defesa dos direitos indígenas”, comentou a docente.

Além da entrega do material também está prevista a realização de encontros e rodas de conversa, para apresentar e discutir o documento e a importância da leitura individual e coletiva e do dialogar sobre o conteúdo da publicação e a sua relação com a realidade dos povos indígenas. “A proposta é perguntar: Por que as eleições de 2022 são relevantes para os indígenas do Brasil? E que o maior número possível dos povos pense nesse tema e responda”, disse Elciclei.

Dados

O documento traz também respostas para questionamentos como quais os princípios, ideais e principais objetivos comuns da política indígena e quais as posições dos partidos em relação a temas de interesses indígenas, como, por exemplo, o Projeto de Lei (PL) 191/2020, que trata sobre mineração em terras indígenas. O material aborda informações básicas sobre o processo eleitoral, como a transferência do título de eleitor(a), data para filiação partidária e registro de candidatura e como fazer a escolha/indicação de candidato(a) indígena.

Nossa Adua faz parte da Famddi desde a sua criação, em 2018, no contexto de uma das Marchas Indígenas do Amazonas, coordenada pelo Foreeia. Entendemos que a luta da Adua também se faz apoiando e participando de iniciativas como a proposição desse documento, para contribuir com a formação política de homens e mulheres indígenas, para que continuem defendendo seus territórios, a Amazônia, a vida no planeta, das ações de saqueadores, mineradores, madeireiros… e pela política nefasta e negacionista do Estado brasileiro. A Amazônia continua viva, em grande parte, pela ação dos povos indígenas, os verdadeiros guardiões da floresta e das águas”, afirmou a diretora da Seção Sindical.

Lançamento

14h45: Lançamento/exibição do vídeo “Direitos Indígenas na Constituição Federal de 1988” – Famddi
15h: Abertura – acolhimento com música indígena
15h10: TSE, Povos Indígenas e Eleições 2022 – Participação especial de Samara Pataxó – advogada indígena e coordenadora do Núcleo de Inclusão e Diversidade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
15h25: Idealização e surgimento do Caderno 1 “Tem Aldeia na Política em 2018” – Alva Rosa Tucano – Foreeia/Famddi
15h40: Atualização do Documento “Tem Aldeia na Política – eleições 2022: o que está em jogo?”

15h55: Apresentação do “Documento Tem Aldeia na Política – Eleições 2022”

16h30: Debate – Interação com o público participante

17h10: Encerramento com música indígena

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO