Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Infoglobo

SÃO PAULO – O touro dourado instalado pela B3 no centro de São Paulo não durou nem 24 horas intacta após sua inauguração oficial, apesar de ser vigiada o tempo todo por seguranças contratados pela Bolsa de Valores. O monumento amanheceu com adesivos de protesto com a palavra ‘fome’ em maiúscula grudados na lateral da estátua, em um protesto reivindicado pelo coletivo Juventude Fogo no Pavio.

Comparada na internet com o famoso Charging Bull de Nova York, a obra de São Paulo ganhou apelidos como ‘Vaca Louca do Anhangabaú’ e ‘Touro da Cracolândia’ em memes e nas ruas assim que foi inaugurada.

Em suas redes sociais, o coletivo Fogo no Pavio afirmou que “o touro ganhou a marca do Brasil de Bolsonaro” e que não há nada o que comemorar, em alusão ao aumento da fome e do desemprego no País durante o governo de Jair Bolsonaro.

“O que para eles simboliza a força do mercado financeiro, para nós é um símbolo da fome, da miséria e da superexploração do trabalho. Mas, também é um lembrete de que continuaremos na luta por uma vida com dignidade. E é por isso que hoje fizemos essa ação simbólica de protesto”, diz a nota do coletivo.

Em setembro, movimentos sociais já haviam ocupado o saguão da Bolsa em um protesto contra o desemprego e a inflação. Na ocasião, havia faixas e cartazes como “sua ação financia nossa miséria”, “Brasil tem 42 novos bilionários enquanto 19 milhões passam fome”, “tem gente ficando rica com a nossa fome”.

Monumento ao mercado financeiro

A escultura do touro dourado foi financiada pela B3 em parceria com o economista e educador financeiro Pablo Spyer, idealizador da obra. O autor é o arquiteto e artista plástico Rafael Brancatelli. O valor da estátua, que pesa cerca de uma tonelada e tem cinco metros de comprimento, não foi divulgado.

Brancatelli e a B3 negam qualquer inspiração do touro brasileiro no Charging Bull, o famoso touro de bronze situado em Nova York, nos Estados Unidos, idealizado pelo escultor italiano Arturo Di Modica em 1989. A estátua se tornou um dos símbolos do mercado de capitais americano.

De qualquer forma, as comparações foram inevitáveis entre as imagens dos touros de Nova York e de São Paulo entre os pedestres que viram a mais nova escultura do Centro da capital paulista, e não faltaram memes colocando lado a lado os dois monumentos.

“Temos compromisso com o centro de São Paulo e por isso escolhemos colocar o touro em frente à B3. Ele não é inspirado no touro de Nova York, mas sim na metáfora touro versus urso, tradicional no mercado financeiro. Nós escolhemos a figura porque a associamos à resiliência do investidor e do brasileiro”, disse ao GLOBO Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoa Física da B3.

Na metáfora, o touro representaria as ações em subida pronunciada, em alusão ao movimento de ataque do animal, de baixo para cima. Em contraposição, o urso, que ataca de cima para baixo, representa o mercado em baixa.

Veja a matéria completa no site