Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
28 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do O Globo

WASHINGTON — Após quatro anos tumultuados, Donald Trump, deixou a Casa Branca pela última vez como presidente nesta quarta-feira, 20, horas antes de Joe Biden tomar posse. Isolado desde que insuflou seus apoiadores a invadir o Capitólio para tentar reverter a vitória de seu sucessor, o republicano sai do governo com a menor popularidade de seu mandato e prestes a enfrentar um novo julgamento de impeachment no Senado.

Quebrando com as tradições, Trump será o primeiro presidente em 152 anos a optar por não comparecer à posse do seu sucessor. O último foi Andrew Johnson, em 1869. Assim como o atual presidente, ele foi um dos poucos líderes americanos a sofrer um processo de impeachment.

O republicano segue de helicóptero para a Base Aérea Andrews, onde fará seu último discurso na capital antes de embarcar para Mar-a-Lago, na Flórida, onde morará a partir desta quarta-feira. Ele deverá ser recepcionado no desembarque por apoiadores, e é esperado que faça um novo discurso.

O republicano terá nesta quarta-feira uma cerimônia de despedida na Base Aérea Andrews, nos arredores de Washington. Pelos planos, militares farão uma homenagem ao agora ex-comandante.

No domingo, o ex-secretário de Imprensa de Trump, Anthony Scaramucci, hoje um crítico do presidente, revelou ter sido chamado para a cerimônia. Ele disse que não estará entre os presentes, e levantou a hipótese de que a Casa Branca está desesperada em busca de público para o evento, que ocorrerá quatro horas antes da posse de Biden.

O Wall Street Journal noticiou ainda que o convite permite até cinco convidados adicionais, algo incomum em atos oficiais. Seu vice, Mike Pence, que irá à posse de Biden, não comparecerá à despedida. Ele, que rompeu com Trump após não ceder às pressões presidenciais para barrar a certificação da vitória democrata, sequer esteve na Casa Branca para se despedir.

Outras ausências sentidas são as dos líderes republicanos da Câmara, Kevin McCarthy, e do Senado, Mitch McConnell, que irão a uma missa na Catedral de São Mateus em homenagem ao novo presidente. A celebração coincidirá com o discurso derradeiro de Trump.