Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
12 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da revista Isto É Dinheiro e o site 6 minutos

Viajar está se tornando uma prática para quem quer antecipar sua imunização contra a Covid-19. No entanto, os turistas esbarram em pelo menos dois problemas: o dinheiro para viajar, devido à desvalorização do real frente ao dólar, e o bloqueio sanitário contra brasileiros.

Mesmo com regras rígidas para a entrada de brasileiros há algumas brechas, segundo o site 6 minutos. Nos Estados Unidos, por exemplo, brasileiros podem entrar com visto de residência permanente, ou se tiverem parentesco de primeiro grau com americanos.

Além disso, em terras norte-americanas é possível entrar com vistos específicos para estudantes. No Reino Unido e Europa, as regras em geral são parecidas.

Onde estão vacinando turistas?

Cuba – A ilha caribenha, cuja maior fonte de renda é o turismo, foi um dos primeiros Países a oferecer a vacina contra Covid-19 para turistas estrangeiros. A vacina é cubana. Foi desenvolvida na ilha e é chamada de “Soberana 2”. Não há dados comprovando a eficácia do imunizante.

Rússia – Qualquer pessoa pode receber uma dose gratuita – incluindo estrangeiros – da Sputnik V. Os interessados precisam apenas apresentar um documento de identificação, como o passaporte. Mas brasileiros não podem entrar, a não ser que tenham dupla cidadania, europeia, por exemplo. Mesmo assim, precisam fazer quarentena.

Ilhas Maldivas – Para as Ilhas Maldivas, porém, é permitido ir. A única exigência feita aos brasileiros são resultados negativos em exames de Covid-19. Lá, o governo local lançou no dia 19 o “programa 3V: visita, vacinação, férias (vacation, em inglês)”. As visitas com direito ao imunizante devem começar dentro de dois meses, quando todos os habitantes das Maldivas, com uma população total de 540 mil pessoas, estiverem vacinadas. As Maldivas administram as vacinas da Astrazeneca/Oxford, Sinopharm e Pfizer. Até o dia 19, 40.230 pessoas já tinham recebido duas doses, e cerca de 280 mil, a primeira. Mas prepare o bolso: só a passagem para esse arquipélago no Sul da Ásia custa R$ 4.578 por pessoa. As hospedagens por lá são muito luxuosas e caras.

Panamá e Costa Rica

Esses dois Países caribenhos tiram boa parte de sua riqueza do turismo. Por isso, os dois estão planejando se tornar destinos “covid free”. A ideia é vacinar todos, incluindo turistas.

Emirados Árabes Unidos – Nos Emirados Árabes Unidos, oficialmente, só cidadãos podem se vacinar.  Mas a reportagem do The Telegraph, um jornal britânico, mostrou que o Knightsbridge Circle, um clube da elite de Londres, tem oferecido a seus clientes a possibilidade de viajar até Dubai para receber a vacina produzida pela empresa chinesa Sinopharm por soma equivalente a R$ 189 mil.

Israel  – O Ministério da Saúde local estipulou vacinação gratuita para todos que estiverem no País, independentemente do status da cidadania ou cadastro no sistema de saúde. Brasileiros judeus, por lei, têm dupla cidadania. Mas a viagem sai caro, uma vez que é preciso ficar pelo menos duas semanas em quarentena e ainda esperar ao menos três semanas pela segunda dose da vacina.

EUA – Estados como Arizona, Texas e Lousiana vacinam turistas. Mas além das barreiras sanitárias contra brasileiros, as regras mudam de um dia para outro. Existe um certo risco da viagem não dar em nada.