Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações da ONU NEWS

Mais de 300 entidades do setor do turismo e governos já assinaram a Declaração de Glasgow para Ação Climática no Turismo, uma iniciativa liderada por duas agências das Nações Unidas. 

A Organização Mundial do Turismo, OMT, e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, lançaram a novidade durante a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP26, que acontece naquela cidade da Escócia. 

Segundo a OMT, a Declaração de Glasgow tem duas metas principais: conseguir que a indústria do turismo corte pela metade as emissões de gases de efeito estufa até 2030 e a longo prazo, zerar as emissões até 2050.  

O documento reconhece a necessidade urgente em se ter um plano de ação climática no turismo. Os signatários se comprometem a medir, descarbonizar, regenerar e liberar financiamento e apresentar, daqui a um ano, um plano concreto de ação.  

O documento está disponível online para outras empresas que queiram assinar. O secretário-geral da OMT explicou que “a Declaração de Glasgow é uma ferramenta para ajudar a fechar a lacuna entre boas intenções e ação climática significativa”.  

Zurab Pololikashvili destacou que o setor precisa de metas mais ambiciosas para garantir ação climática no turismo. 

Segundo um relatório da OMT publicado em dezembro de 2019, as emissões de gases dos meios de transportes ligados ao turismo poderão representar 5,3% de todas as emissões até 2030.  

O setor emitia 1,5 bilhão de tonelada em 2016 e a expectativa era de aumento de 25% até 2030, atingindo 1,9 bilhão de tonelada de emissões de gases. Mas agora, com a Declaração de Glasgow, a expectativa é de que a tendência seja revertida.  

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.