Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Victória Sales – Da Cenarium

MANAUS – Considerada a maior empresa de mobilidade urbana do mundo, a Uber funciona em sistema alternativo e, diferente dos táxis, já informa o valor da corrida antes mesmo da solicitação do trajeto. Mas, apesar da facilidade do aplicativo, a empresa já carrega diversas reclamações por parte dos seus clientes. Levantamento feito pela CENARIUM mostra que a empresa lidera o ranking de reclamações de usuários de aplicativos de transporte no maior site nacional de reclamação, o Reclame Aqui.

Somente nos últimos seis meses deste ano, a Uber já acumula mais de 23 mil reclamações. São mais de 51 mil registros no site no último ano. No ranking de piores empresas nos últimos 30 dias, o aplicativo de mobilidade aparece na sétima posição, sendo o único desta categoria que consta na lista.

Entre as maiores reclamações estão o valor abusivo, a cobrança duplicada, encerramento da corrida no meio do caminho, problemas com motorista e propaganda enganosa. No site, é possível ver detalhes destas reclamações como “Motorista aceitou a viagem e em seguida enviou uma mensagem perguntando se a forma de pagamento seria dinheiro ou cartão. Após ser informado que seria cartão, o motorista cancelou a viagem”, relatou a cliente que preferiu não ser identificada na página.

Ranking de piores empresas nos últimos 30 dias (Reprodução/Reclame Aqui)

A má prestação do serviço reflete diariamente na rotina dos usuários da plataforma, que reclamam do tempo de espera, do valor exorbitante pedido pelo aplicativo e, principalmente, dos sucessivos cancelamentos por parte dos motoristas.

Reclamações

De acordo com a estudante Marcela Medeiros, nos últimos dois meses as mudanças no aplicativo foram maiores. “Além do preço ter aumentado muito, o grande problema é quando os motoristas cancelam as viagens e, na maioria das vezes, é quando já está bem perto do local de partida. Antes eu pagava em torno de R$ 12 a R$ 15 reais em uma viagem para o trabalho e agora tenho que pagar cerca de R$ 20 a R$ 30 reais. Já aconteceu também de sete motoristas cancelarem a mesma corrida e eu ter que ficar muito tempo esperando algum aceitar”, explicou.

Os cancelamos também afetam a rotina do assistente administrativo Felipe Santos, que passou a solicitar a corrida com mais antecedência, antecipando os possíveis cancelamentos.

“Todo dia tenho que estar no compromisso às 6h e começo a solicitar com meia hora de antecedência para poder conseguir ser atendido. Segundo o que os próprios motoristas já falaram, o motivo é que a maioria deles não gosta de aceitar corrida em cartão. Quando eles aceitam e chega próximo de onde o cliente está, quando dá para saberem se é cartão ou dinheiro, eles cancelam. Quando fica mais barato, eles demoram. Quando fica caro, demora para baixar os valores”, destacou.

Número de reclamações no site de reclamação (Reprodução/Reclame Aqui)

Outro lado

Já de acordo com o motorista de Uber Marcelo Silva*, a gasolina é um dos principais motivos para o aumento no preço da corrida. “Antes a Uber tinha uma taxa de deslocamento fixa, mas hoje essa taxa é variável, quando o passageiro chama, o motorista já vê o valor, a distância, e se a corrida é no dinheiro ou cartão. Isso faz com que ele aceite ou não”, contou.

Cardoso ainda pontuou que é nesse momento que ocorrem os cancelamentos, pois as receitas e despesas acabam não compensando. “Geralmente ele aceita e depois cancela, porque têm muitos motoristas com outros trabalhos e têm a Uber apenas como ‘bico’. Mas há motoristas que só trabalham com a Uber, como é o meu caso, que tem observado que o valor das corridas têm diminuído e isso desmotiva. A gasolina aumentou oito vezes. Isso faz com que os ganhos sejam reduzidos”, lamentou.

O motorista ainda detalhou os gastos que têm mensalmente com a manutenção do veículo e o que lucra nas corridas. “Se a gente for colocar na ponta do lápis, eu gasto com manutenção, a cada 10 mil km rodados, R$ 600. Com gasolina, agora que aumentou o preço, eu gasto em torno de R$ 1.200 por mês. Hoje eu consigo tirar R$ 150 de segunda a sábado, em datas comemorativas é um pouco mais, R$ 250 por dia. É o que me ajuda, mas com o aumento da gasolina as coisas têm ficado bastante difíceis”, explicou.

Posicionamento

Em nota a assessoria da empresa afirma que a Uber utiliza o site Consumidor.gov.br como canal para uma conversa direta entre consumidores e empresas buscando uma solução para questões de consumo. “Nessa plataforma, o índice de respostas da Uber é de 99,4%. Já o índice de solução é de 69,2%, uma vez que há reclamações respondidas que não podem ser resolvidas, como, por exemplo, uma contestação de que a viagem demorou mais do que o esperado devido ao trânsito ou à existência de preço dinâmico”, afirmou.  

Ainda em nota, a Uber destaca que qualquer tipo de reclamação relacionada a viagens com a Uber pode ser reportada pelo próprio aplicativo, abrindo o menu e clicando na aba “Ajuda”, ou por meio do site help.uber.com. “Temos uma equipe especializada que trabalha 24 horas por dia para ajudar os usuários e fornecer suporte no menor tempo possível”, ressaltou. 

*Nome alterado para preservar a identidade do profissional