Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de junho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do G1

Com a nova alta na taxa básica de juros da economia brasileira, a caderneta de poupança passará a render um pouco mais, mas ainda assim continuará perdendo para a inflação. Nesta quarta-feira, 5, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou a Selic 2,75% para 3,50% ao ano, confirmando as expectativas do mercado.

Com a nova taxa de juros, a rentabilidade da caderneta de poupança passará a ser de 0,20% ao mês e 2,45% ao ano, segundo cálculos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac). Antes, o rendimento estava em 0,16% ao mês e de 1,93% ao ano.

Pela regra em vigor desde 2012, quando a Selic está abaixo de 8,5% a correção anual da caderneta de poupança é limitada a um percentual equivalente a 70% dos juros básicos mais a Taxa Referencial (TR, que está em zero desde 2017).

Simulação de aplicação de R$ 10 mil

Veja como fica um rendimento de R$ 10 mil na poupança num prazo de 12 meses, segundo a Anefac:

Antes: rendimento era de R$ 193 (R$10.193 ou 1,93% ao ano)

Agora: rendimento será de R$ 245 (R$ 10,245 ou 2,45% ao ano)

População X Inflação

Em março, os saques das cadernetas de poupança superaram os depósitos em R$ 3,524 bilhões, segundo o o Banco Central. No primeiro trimestre, a saída líquida de recursos desta modalidade de aplicação financeira somou R$ 27,541 bilhões — novo recorde histórico. Desde o ano passado, a poupança vem perdendo rentabilidade. Em março, o retorno em 12 meses, descontada a inflação medida pelo IPCA, foi de -4,16%, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica. Março foi o sétimo mês consecutivo no vermelho da poupança.