Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Portal IG

A vereadora de São Paulo Erika Hilton (PSOL) será homenageada ao lado de outros quatro ativistas LGBTQIA+ no MTV European Music Awards, conhecido como MTV EMA, que acontece neste domingo, 14, por sua trajetória em prol dos direitos LGBT no Brasil. Todos os anos, o evento reúne alguns dos grandes nomes da música mundial.

Todas as pessoas homenageadas pelo prêmio 2021 MTV EMA Generation Change Award são ativistas LGBTQIA+ e Erika representa a América Latina. Também serão premiados Amir Ashou, do Iraque; Matthew Blaise, da Nigéria, país conhecido como um dos mais duros em relação às leis anti-LGBT; Sage Dolan-Sandrino, dos Estados Unidos; e Viktória Radványi, da Hungria.

“Para mim, ser premiada como geração da mudança pela MTV European Music Awards, junto com quatro ativistas LGBTs de outros continentes, em uma conjuntura de recrudescimento à perseguição contra nossa comunidade em diversos países é uma imensa responsabilidade de dar visibilidade mundial às nossas lutas e pautas, de mostrar para as pessoas LGBT de todo o mundo que é possível sermos quem somos sem medo”, conta Erika com exclusividade ao iG Queer.

O perfil oficial do MTV EMA também divulgou um vídeo de Erika falando sobre a premiação. “Eu sou uma mulher negra, travesti, e venho do primeiro país do mundo que mais mata essa população”, diz. Erika também conta sobre sua trajetória, desde a prostituição até se tornar a mulher mais votada em todo o país nas eleições de 2020.

Erika Hilton será homenageada no MTV EMA
Erika Hilton será homenageada no MTV EMA. (Reprodução/Internet)

“Meu trabalho consiste em informar e conscientizar a sociedade através de palestras, de políticas públicas, de projetos de leis, do fomento com emendas parlamentares para que essas iniciativas possam se lastrar e se ramificar na sociedade, para que tenha, de fato, uma sociedade equânime, justa, participativa e que não combata mais a existência, o corpo e os direitos da comunidade LGBTQIA+”, diz no vídeo.

Este ano, a escolha dos indicados foi feita em parceria com o grupo de defesa LGBTQ+ All Out. Além do prêmio e das homenagens na premiação, cada ativista escolherá uma organização para receber uma doação em dinheiro da MTV.

Nos últimos meses, o país aprovou uma série de leis anti-LGBT, incluindo a lei que “proíbe a divulgação da homossexualidade”, similar à lei “anti propaganda LGBT” da Rússia. No entanto, a organização do evento quis manter o MTV EMAs no país, como forma de resistência por parte das pessoas LGBT.

Na Hungria, as leis chegaram a proibir conteúdo LGBT em escolas e na televisão infantil. No Brasil, o PL 504, um projeto parecido que coloca LGBTs como “má influência” para crianças , chegou a ser votado na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

“Estamos honrados em usar nosso maior evento musical global para iluminar cinco jovens líderes inspiradores que estão defendendo os direitos LGBTQ+ e impulsionando mudanças significativas em torno do mundo. A MTV e a All Out têm orgulho de ampliar suas vozes e celebrar seu incrível trabalho, em ajudar a espalhar o amor e a igualdade. Eles são um farol de esperança para todos nós”, declarou Chris McCarthy, CEO da MTV, à Teen Vogue dos Estados Unidos.

Amir é estudante na Escola de Direito de Harvard e fundou a primeira organização LGBTQIA+ do Iraque, o IraQueer. Atualmente, ele é presidente do conselho do grupo. Ashour se uniu a outras organizações de direitos humanos para defender profissionais do sexo, casamento igualitário, mulheres, além de outras causas interseccionais.

Mattew usa as redes sociais para combater a LGTBFobia. (Reprodução/ Matthew Blaise)

Matthew é uma pessoa gay não binária que utiliza as redes sociais de seu país para alertar e combater as injustiças contra pessoas LGBTQIA+ na Nigéria. Matthew criou o projeto The Oasis Project para buscar humanizar pessoas queer dentro do país. Sua organização criou a hashtag #EndHomophobiaInNigeria, que pede que os assassinatos contra pessoas gays parem de acontecer no país.

Mulher trans afro-cubana residente nos Estados Unidos, Sage é fundadora do The TEAM Mag, uma revista digital que tem como intuito contar histórias de outras pessoas. Ela se tornou uma pessoa importante para o movimento trans desde sua transição de gênero, aos 13 anos. Durante a gestão de Barack Obama, ela chegou a ser embaixadora da Iniciativa da Casa Branca para Excelência Educacional para afro-americanos.

Ativista na Hungria, onde a premiação acontecerá, Viktória faz parte do conselho Budapest Pride, primeira ONG LGBTQIA+ feminista e antirracista do país, com base no trabalho voluntário. Com essa organização, ela tem ido contra a criação de leis anti-LGBT no país. A Budapest Pride também ampara pessoas LGBTQ+ que foram reprimidas historicamente pela LGBTfobia institucionalizada no país.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.