3 de março de 2021

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – Um vídeo que circula desde 27 de abril de 2020 mostra um policial concedendo entrevista a um portal de notícias de Manaus após ver uma gravação de uma idosa deitada em um “saco fúnebre”. A fake news voltou a ser compartilhada nas redes sociais e aplicativos de mensagens nesta semana.

O vídeo exibe a idosa deitada no que seria um saco fúnebre, utilizando uma máscara e respirando com dificuldade. No áudio, uma pessoa diz que a senhora já estava “no saco para defuntos”. “A sorte dessa senhora é que o filho dela é um policial militar, o cabo Moisés, e correu para o hospital”, diz trecho da mensagem que acompanha o vídeo.

(Reprodução/Twitter)

“A idosa estava internada no hospital devido à Covid-19 há alguns dias e, devido à negligência do local, acabou sendo ensacada viva e dada como morta”, diz outro trecho da publicação.

(Reprodução/Internet)

HUGV

Em nota, o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) nega que as imagens tenham sido feitas na unidade. “Essa notícia falsa viralizou entre maio e junho do ano passado, durante a primeira onda da Covid-19 em Manaus. As imagens não correspondem com nenhum local do hospital e a paciente que aparece no vídeo também não está usando a vestimenta obrigatória para todos os pacientes da unidade”, diz a entidade.

PM enganado

Por causa do vestido, o policial Moisés Arancíbia, entrevistado no vídeo, achou que fosse sua mãe, internada com Covid-19 no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), na capital amazonense.

O PM invadiu o local para confirmar se ela estava viva. Depois disso, gravou o depoimento para um site, o Portal do Holanda. A página publicou uma correção ao descobrir que tudo não passava de um engano.

Vídeo gravado no Pará

Segundo o trabalho de verificação da Agência Lupa, realizada em 17 de junho, aponta que o vídeo foi publicado com a legenda que a idosa havia sido levada por parentes ao Hospital Abelardo Santos, localizado no distrito de Icoaraci, em Belém do Pará.

Após ser transferida para uma sala, a família teria recebido a informação de que ela havia morrido, possivelmente por Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O grupo então teria invadido o necrotério, aberto o saco e encontrado a idosa viva, respirando. A filmagem teria ocorrido logo depois desse momento

À época, a assessoria de imprensa do governo do Pará informou que a idosa mostrada no vídeo estava em estado grave, mas não resistiu e morreu no dia seguinte. “Em nenhum momento ela foi resgatada pela família”, diz trecho da nota.

“Na imagem que circula ilegalmente na internet, constata-se o aparato de suporte de transferência entre macas [que foi confundido com um saco fúnebre], método comum nos hospitais”, finaliza.