2 de março de 2021

Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Na abertura do ano legislativo nesta terça-feira, 2, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), não poupou críticas à oposição. Segundo o governador, os opositores não cobraram das administrações anteriores melhorias na Saúde e atualmente, sustentou, utilizam a pandemia para autopromoção política.

‘’Alguns dos que hoje cobram de mim, lá atrás não fizeram as cobranças devidas. Hoje mudaram de postura e veem a pandemia como palco político’’. Ano passado, destacou Wilson Lima em seu discurso aos deputados estaduais, ‘’a Prefeitura de Manaus simplesmente virou as costas para a pandemia, fez de conta que não tinha responsabilidade com a saúde dos manauaras’’.

Na Assembleia, que abriu os trabalhos deste ano sob nova presidência, do deputado Roberto Cidade, o governador e o vice dele, Carlos Almeida, enfrentam pedidos de impeachment. A maioria protocolada tem praticamente o mesmo teor do pedido aceito pelo ex-presidente da Aleam, Josué Neto, mas arquivado ano passado.

Em seu discurso, o governador destacou que a Saúde sempre foi prioridade no Governo, mesmo antes da pandemia. (Diego Peres/Secom)

Na Casa legislativa, Wilson Lima enfrenta a oposição dos deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas, homens de confiança do ex-governador Amazonino Mendes, que perdeu as eleições para Wilson em 2018. Wilker foi candidato a vice-prefeito na chapa de Amazonino ano passado, quando foram derrotados por David Almeida.

Amazonino entregou o Governo para Wilson Lima com rombo financeiro de R$ 1,5 bilhão na Saúde, incluindo meses de pagamentos atrasados a empresas médicas e fornecedores. Em dezembro de 2018, o Hospital Delphina Aziz, hoje referência em tratamento de pacientes com Covid-19, tinha 10 UTIs funcionando. Atualmente são 150.

Em seu discurso, o governador destacou que a Saúde sempre foi prioridade no Governo, mesmo antes da pandemia. Ele cita como exemplo o abastecimento da Central de Medicamentos (Cema), que passou de 12% no início de 2019 para atuais 75%. Também destacou o aumento de leitos e reformas em hospitais de Manaus e os investimentos na Saúde do interior.