Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
29 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações da Folha de S. Paulo

SÃO PAULO – A reunião de emergência marcada para discutir, nesse domingo, 21, a escassez de medicamentos para intubação de pacientes foi cancelada porque a Agência Nacional de Vigilência Sanitária (Anvisa) não enviou o e-mail que deveria convocar e confirmar o horário do encontro, segundo representantes da indústria.

A conversa foi acertada verbalmente nesse sábado, 20. Dela participariam diretores da agência, representantes do Ministério da Saúde, da indústria, o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que representa os Estados.

Os participantes ficaram esperando o e-mail de confirmação da reunião, ou mesmo um telefonema, que não chegou.

O “cano” da Anvisa foi confirmado à coluna pelo Consasems e pelo Conass. O presidente do Sindicato da Indústria Farmacêutica do Estado de São Paulo (Sindusfarma), Nelson Mussolini, que representa 12 fabricantes de medicamentos, também confirmou o problema.

Segundo ele, um dos diretores da Anvisa, Romison Mota, explicou que estava tudo marcado, mas que a assistente dele não apertou o botão de “enviar” para que a mensagem chegasse ao e-mail dos que deveriam participar da reunião.

Mussolini não critica a agência, diz que o problema foi involuntário e faz questão de dizer que o diretor Romison Mota está empenhado em resolver o problema.

A reunião foi remarcada para esta terça-feira, 23. A Anvisa afirma que a “informação procede, em parte”. “Mas a culpa não é da assistente. Houve um problema no sistema de agendamento, e após verificar o problema foi enviado mensagem aos participante” para explicar a falha.

“Importante informar que o objetivo da Anvisa, ao intermediar o agendamento da reunião, foi de contribuir para a aproximação do diálogo entre as indústrias e o Ministério da Saúde.

Lamentamos o ocorrido e nos colocamos à disposição para intermediar, caso necessário, outro agendamento”, afirmou a agência em mensagem enviada à coluna.

O Brasil vive uma crise de abastecimento de medicamentos usados para a intubação de pacientes com Covid-19 em Unidade de Terapia Intensiva (UTIs). Estoques estão vazios e estados e municípios alertam que eles podem acabar em poucos dias.

O Ministério da Saúde já requisitou medicamentos à indústria para abastecer o Sistema Único de Saúde (SUS). Os hospitais privados dizem que a medida pode piorar o problema, gerando desabastecimento em suas unidades.

Segundo a Associação Nacional de Hospitais Privados, os medicamentos podem acabar em 48 horas em algumas instituições se o problema não for resolvido.