Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
19 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do UOL

SÃO PAULO – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse hoje que o valor do novo auxílio emergencial deverá ser de R$ 250 mensais e será pago em quatro meses.

Em entrevista à Record TV, o parlamentar disse que a leitura da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial, que inclui o pagamento, deverá ser feita amanhã e a votação no Senado ocorrerá na quarta-feira.

“Previsão é de que seja em torno de R$ 250, a princípio por 4 meses, pagando-se agora março, abril, maio e junho”, disse ele.

A PEC é a grande aposta do governo para destravar um novo auxílio emergencial e, na mesma tacada, cortar gastos públicos. O texto estava na pauta de quinta-feira (25), mas foi adiado.

A proposta é extensa, tem pontos controversos como o fim do piso de gastos com saúde e educação e ainda precisa passar pela Câmara. Lira disse que o assunto foi um dos tratados em encontro com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e alguns de seus ministros ontem.

Vacinas e CPI da Covid

Na entrevista, o parlamentar também disse que o país poderá ter cerca de 140 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 disponíveis nos meses de março, abril e maio, mas não detalhou de onde viriam esses imunizantes.

O presidente da Câmara afirmou ainda que as autoridades estão trabalhando duramente para que toda a população seja vacinada o mais rapidamente possível. “É a única saída que nós temos para garantir a saúde da população e amadurecimento da economia”, avaliou.

Lira ainda explicou o motivo pelo qual é contrário à instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre as ações do governo federal no combate à pandemia agora. Em sua avaliação, o momento é de concentrar esforços para buscar saídas para a crise.

Ontem, pelo segundo dia consecutivo, o Brasil bateu um novo recorde e registrou a pior média de mortes por Covid-19 em toda a pandemia.

“Todos temos que estar focados no aspecto construtivo. Depois que nós ultrapassarmos isso, que garantirmos vacinas para a população, vamos ter a oportunidade porque os fatos não se precluem de fazer essa ou aquela CPI para analisar, investigar ou punir eventuais erros. Mas se agora pararmos o Congresso com uma CPI para discutirmos quem está errando ou quem errou, não vamos conseguir concentrar esforços para que a gente tenha uma saída mais rápida possível, para que Brasil tenha sua população atendida com relação à pandemia, saúde, e economia com condições de se manter em pé, para que não entremos numa recessão”, argumentou.