Amazonas tem novos 867 casos de Covid-19; mais de 2 mil em três dias

Da Revista Cenarium

O Amazonas tem nesta terça-feira, 5, mais 867 casos de Covid-19, aumentando para 8.109 casos. Mais 65 mortes, somando 649 ao todo, também foram confirmadas. A contagem desde domingo, 3, registrou 2.047 novos infectados. Apenas em maio, são 2.855 casos e 224 mortes, segundo boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

O boletim aponta que 4.904 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão em isolamento social ou domiciliar, com sintomas brandos. Em 24h, mais 97 saíram do período de transmissão do vírus, totalizando, agora, 2.097 recuperados.

Dos 8.109 casos confirmados, 4.804 são de Manaus (59,24%) e 3.305 do interior do estado (40,76%). Além da capital, 53 municípios têm casos confirmados, sendo Manacapuru (611); Parintins (263); Tabatinga (232); Iranduba (181); Santo Antônio do Içá (180); Itacoatiara (150); Rio Preto (145); Coari (143); Maués (139); Careiro Castanho (118); Carauari (116); Tefé (113); Presidente Figueiredo (105); Autazes (92) e São Paulo de Olivença (89).

Também Tonantins (59); Boca do Acre (52); Anori (47); Benjamin Constant (47); Amaturá (35); Urucará (34); Tapauá (28); Silves (26); Nova Olinda do Norte (25); Lábrea (21); Manaquiri (19); Maraã (19); São Gabriel da Cachoeira (18); Careiro da Várzea (17); Fonte Boa (17); Itapiranga (17); Novo Airão (17); Beruri (14); Barreirinha (12); Novo Aripuanã (12); Urucurituba (12); Jutaí (11) e Borba (10).

Os municípios de Caapiranga, Codajás e Manicoré têm sete casos cada um. Eirunepé tem seis casos. Barcelos, Canutama e Santa Isabel do Rio Negro têm cinco casos cada. Anamã tem quatro casos. São Sebastião do Uatumã tem três casos. Alvarães, Boa Vista do Ramos, Humaitá e Nhamundá têm dois casos. Os municípios com apenas um caso confirmado são Atalaia do Norte e Juruá.

Indígenas

Mais 23 índios estão infectados, conforme a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), totalizando 118 casos. O boletim da Sesai consta que a última atualização foi ontem. A região do Alto Rio Solimões segue como a mais atingida, comportando 72 casos. Manaus registra 22 infectados, Parintins (18), Médio Rio Purus (3), Médio Rio Solimões (2) e Alto Rio Negro (1) também confirmam a doença.

Mais duas mortes indígenas deram positivo para Covid-19, somando sete. Atualmente, 22 estão em cura clínica. Além do perigo da subnotificação, falhas no assistencialismo médico já mostraram ser parte da causa da contaminação entre os indígenas.

Internações e óbitos

Entre os pacientes internados, com estado grave, são 459 confirmados para Covid-19, divididos em 268 em leitos clínicos (75 na rede privada e 193 na rede pública) e 191 em UTI (70 na rede privada e 121 na rede pública).

Há ainda outros 979 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 735 estão em leitos clínicos (201 na rede privada e 534 na rede pública) e 244 estão em UTI (109 na rede privada e 135 na rede pública). Entre pacientes da capital, até o momento, há o registro de 459 óbitos.

Os 31 municípios do interior com óbitos confirmados até o momento são: Manacapuru (39); Coari (19); Parintins (18); Itacoatiara (16); Maués (14); Iranduba (11); Tabatinga (9); Autazes (9); Tefé (8); Careiro Castanho (5); Santo Antônio do Içá (4); Presidente Figueiredo (4) e Benjamin Constant (4).

Também São Paulo de Olivença (3); Tonantins (3); Novo Airão (3); Rio Preto da Eva (2); Urucará(2); Manaquiri (2); São Gabriel da Cachoeira (2); Beruri (2); Barcelos (2); Carauari (1); Anori (1); Amaturá (1); Tapauá (1); Silves (1); Itapiranga (1); Borba (1); Manicoré (1); e Nhamundá (1); totalizando 190 mortes.

Outros 88 óbitos estão em investigação e 38 foram descartados para o novo coronavírus. Mais informações podem ser encontradas nos sites www.coronavirus.amazonas.am.gov.br e www.saude.am.gov.br/painel/corona.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO