Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
12 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – Um inquérito policial foi aberto para investigar a morte de uma idosa de 71 anos após receber tratamento experimental de nebulização com hidroxicloroquina no município de Itacoatiara (a 270 quilômetros de Manaus), segundo a Polícia Civil do Amazonas. À REVISTA CENARIUM, familiares e amigos da idosa alegaram nesta segunda-feira, 26, que o medicamento, considerado ineficaz contra o novo coronavírus pela Organização Mundial de Saúde (OMS), foi usado sem a permissão deles.

A idosa, que não terá o nome informado a pedidos dos familiares, faleceu no dia 13 de março, mas o Boletim de Ocorrência só foi registrado na última sexta-feira, 23. Segundo o delegado titular da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Itacoatiara, Lázaro Ramos, o prontuário médico da idosa já foi solicitado ao Hospital José Mendes, no município, para checar as informações. Após ouvir o depoimento da filha da idosa, o próximo passo será ouvir os profissionais de saúde que estiveram à frente do caso em Itacoatiara, segundo o delegado.

A idosa foi internada devido a complicações da Covid-19. Documentos obtidos pela CENARIUM na sexta-feira mostram a prescrição médica assinada pela médica Soraia Souza, do Hospital Regional José Mendes. O tratamento com hidroxicloroquina foi realizado enquanto a idosa estava internada em Itacoatiara. Segundo familiares, o quadro de saúde dela piorou após o tratamento ineficaz.

Prescrição médica mostra tratamento com nebulização de hidroxicloquina, duas vezes ao dia, com o aparelho de respiração Bibap (Arquivo Pessoal/Reprodução)

“Ela recebeu tratamento de inalação com hidroxicloroquina, sem o nosso consentimento e isso pode ter agravado o caso dela”, contou um dos familiares em entrevista por telefonema à reportagem. A família disse ainda que só relacionou a morte da idosa à nebulização depois de ver reportagens sobre o tratamento repercutirem nacionalmente e constatarem que ele foi realizado após verificação na cópia do prontuário médico da paciente.

Entenda o caso

A idosa foi internada no Hospital Regional José Mendes, em Itacoatiara, no início de fevereiro deste ano, no dia 6, e foi transferida em 10 de março para o Hospital Delphina Aziz, em Manaus. Três dias depois de internada, a paciente veio a óbito.

“A nebulização é contraindicada. Já teve dois casos no Amazonas que foram associados a óbito do paciente. Não existe evidência científica nenhuma do uso de hidroxicloroquina na forma de nebulização”, explicou o médico e infectologista Nelson Barbosa, em Manaus.

A vereadora do município de Itacoatiara, Andreia Mara (Avante), disse que acompanhou a família, quando a idosa foi internada no José Mendes. A causa da morte, segundo a certidão de óbito da idosa, foi por insuficiência respiratória associada às complicações da Covid-19.

REVISTA CENARIUM teve acesso exclusivo ao Boletim de Ocorrência (Arquivo Pessoal/Reprodução)

“Eu havia pedido para a filha solicitar transferência da idosa para Manaus. Ela alega que os médicos não quiseram. Tentou, tentou e no dia 10 conseguiu a transferência. A filha via a mãe toda roxa, me mandava vídeo e ficava apavorada”, disse a vereadora.

Outros casos

Em Manaus, uma mulher com Covid-19 também morreu após receber tratamento experimental com nebulização de hidroxicloroquina em meados de fevereiro, dias após passar por um parto de emergência, e morreu no dia 2 de março, conforme reportagem publicada na semana passada pelo jornal Folha de S. Paulo.

A médica Michelle Chechter, que submeteu a paciente ao medicamento, foi afastada do cargo pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), que também determinou abertura de sindicância contra a profissional. O caso foi divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo.

Ainda segundo a Polícia Civil, as investigações a respeito da morte de Jucicleia de Souza Lira, que tinha 33 anos, iniciaram na quarta-feira, 14, após a instituição tomar conhecimento do fato, por meio do Comitê de Enfrentamento à Violência Obstétrica do Amazonas e a ONG Humaniza. De acordo com a delegada Deborah Souza, titular do 15º DIP, segundo relatos do B.O registrado no dia 15 de abril, na ocasião do óbito, a mulher estava sendo acompanhada por dois médicos, de idades e nomes não revelados, que medicaram paciente com nebulização de hidroxicloroquina.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.