Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Da Revista Cenarium*

MANAUS – Em sete meses de pandemia, o Brasil chegou na tarde deste sábado, 10, à marca de 150.023 mortes por covid-19, de acordo com dados do levantamento realizado pelo consórcio de imprensa com as secretarias estaduais de Saúde. A análise da taxa de óbito em cada Estado também confirma o mau resultado brasileiro no combate ao novo Coronavírus. Se fossem países independentes, quatro unidades federativas estariam no topo do ranking mundial com os piores índices de morte por milhão de habitantes.

Em números gerais, o Brasil ocupa a 5ª posição, atrás ainda de Bélgica, Bolívia e Espanha. Esta lista é formada só por países com mais de um milhão de pessoas, como faz o Ministério da Saúde em comparativos publicados nos boletins epidemiológicos, motivo pelo qual os europeus San Marino e Andorra foram desconsiderados.

Levantamento do Estadão Dados indica que quatro unidades do Brasil têm índice ainda pior do que o Peru. São eles: Distrito Federal (1.127 óbitos por milhão de pessoas), Rio de Janeiro (1.113), Mato Grosso (1.034) e Amazonas (1.019). A reportagem excluiu Roraima no ranking por ter população estimada de 605,7 mil habitantes – número inferior, portanto, ao critério adotado.

Na outra ponta da tabela, Minas Gerais aparece com a menor taxa do Brasil, de 381 mortes por milhão. Estados da região Sul, onde o coronavírus também chegou mais tarde, vêm logo em seguida: Santa Catarina (404), Paraná (410) e Rio Grande do Sul (451).

Segundo pesquisadores ouvidos pelo Estadão, o fato de a pandemia se manifestar em momentos e intensidades distintas ajuda a explicar a disparidade de mortes nos diferentes locais do Brasil – mas não é a única justificativa. Sudeste, Norte e Nordeste registraram pico de óbitos por covid-19 no período entre o fim de abril e meados de maio. Já as regiões Sul e Centro-Oeste apresentaram uma curva mais tardia, com maior patamar no mês de julho.

“No Brasil, a epidemia chegou em três lugares primeiro, com uma quantidade imensa de casos: São Paulo e Rio de Janeiro, que têm grandes aeroportos internacionais, e em Fortaleza, onde o turismo é forte e recebe voos da Itália”, relata o epidemiologista Paulo Lotufo, da Faculdade de Medicina da USP. “A idade é outro fator que precisa ser considerado. Enquanto na cidade do Rio de Janeiro 18% das pessoas têm acima de 60 anos, esse índice em Roraima é de 6%.”

Reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), o infectologista Pedro Hallal avalia que a discrepância nas taxas também reflete as ações adotadas em cada lugar. “Os melhores resultados estão, sim, em regiões em que a epidemia demorou mais a chegar”, analisa. “Mas foram esses Estados que tomaram melhores medidas de controle, seja em termos de distanciamento social ou de preparação de leitos hospitalares.”

Para o pesquisador Marcelo Mendes Brandão, do Laboratório de Biologia Integrativa e Sistêmica da Unicamp, o resultado deixa em evidência a falta de coordenação nacional no enfrentamento ao novo coronavírus. Com a pandemia ganhando conotação política, segundo argumenta, medidas de isolamento perderam adesão nos Estados, governadores passaram a ser pressionados e alguns lugares deram início à reabertura antes da hora. No período, o governo Jair Bolsonaro ainda promoveu duas trocas no comando do Ministério da Saúde.

Demais estados

O Rio precisou lidar logo cedo com a chegada da doença (foi o segundo Estado brasileiro a registrar óbito por coronavírus) e convive com flagrantes desrespeitos ao isolamento social, num alto e baixo dos números de mortes desde então. No período, também sofreu com suspeitas de corrupção na área da Saúde. Em comum com Brasília, o Estado convive com presença de favelas e grande fluxo de pessoas entre regiões – particularidades que também precisam ser levadas em conta, de acordo com os cientistas.

“Rio e Brasília estão entre as maiores rendas per capita do Brasil. Com mais acesso à informação, era de se pensar que teriam maior controle sobre a pandemia, mas, quando a gente vai ver, Leblon e Ipanema são os locais com mais covid-19 no Rio. Em Brasília, é no Lago Sul. Ou seja, as maiores rendas trataram a doença como uma questão secundária”, diz Brandão. “Quem acaba pagando são as pessoas sem acesso a hospitais de ponta, que precisam trabalhar no shopping ou pegar transporte público. Essa diferença social também se reflete nas regiões de maior mortalidade do País.”

Consideradas fundamentais para detectar e isolar focos ativos da doença, políticas de testagem em massa nunca saíram do papel. Para Edimilson Migowski, professor de Infectologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Estado perdeu com o baixo alcance do sistema de vigilância, uma alternativa para identificar, monitorar e cuidar de pessoas infectadas. “Na capital, que puxa esses números para cima, a Saúde da Família é muito precária, talvez com 40% de cobertura”.

Segundo Migowski, em geral, as estratégias atuais também estariam “muito concentradas na profilaxia e prevenção”. Na visão dele, é preciso avançar em ações para além do uso de máscara e do incentivo à etiqueta de higiene respiratória. “Não existe trabalho nos outros dois pilares: instrumentalizar para que se identifique os casos e tratar precocemente os pacientes.”

Apesar de a média diária de mortes estar em queda no Brasil, os cientistas alertam que o patamar ainda é alto e que o controle de transmissão da covid-19 requer cuidados. A pandemia não acabou nem foi controlada. Um exemplo é o Amazonas. Primeiro a entrar em colapso, entre abril e maio, o Estado chegou a abrir valas coletivas e a usar contêineres frigoríficos para abrigar seus mortos, mas os casos caíram a partir do mês seguinte e houve reabertura de comércios e serviços. Em julho, Manaus se tornaria a primeira capital a autorizar retorno das aulas presenciais.

Com a retomada das atividades, no entanto, os óbitos por covid-19 começaram a subir novamente – neste mês, o Amazonas ultrapassou o Ceará na taxa de mortes por milhão de pessoas. Diante da explosão de novos casos, o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), voltou a falar em lockdown, o fechamento completo da cidade, hipótese que foi descartada pelo governador Wilson Lima (PSC).

(*) Com informações do Estadão e Terra