Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

This post is also available in (Post também disponível em): English (Inglês)

Paula Litaiff e Gabriel Abreu – Da Revista Cenarium

MANAUS – O prefeito da capital do Amazonas, David Almeida (Avante), suspendeu, em janeiro deste ano, o plano de saúde de mais de 40 mil servidores da Prefeitura de Manaus para os atendimentos de urgência e emergência no único hospital que atendia os pacientes para os dois tipos de procedimentos. A informação foi confirmada na Prefeitura de Manaus e no Hospital Check UP.

A medida pode ter contribuído para agravar os casos de servidores e dependentes deles infectados pelo novo coronavírus no período de janeiro a fevereiro deste ano, que não conseguiram atendimento em hospitais públicos. Na época, os cemitérios registravam mais de 200 mortes por dia, tendo como causa a Covid-19.

Em Manaus, a média diária de infectados por Covid-19 se mantém em alta, cerca de 300 pessoas, segundo dados da Fundação de Vigilância Sanitária (FVS/AM). A capital possui cerca de 2 milhões de habitantes e foi a primeira cidade a passar pela “segunda onda” do novo vírus no País.

O número de servidores municipais de Manaus, que está sem plano de saúde para os casos hospitalares, representa a quantidade de funcionários que aderiram ao credenciamento da Manausmed, pasta que cuida do atendimento médico dos trabalhadores da prefeitura. Segundo os servidores, apesar da suspensão do atendimento, o desconto do plano é feito “rigorosamente” nos contracheques.

Apesar de pública, a informação sobre a falta de atendimento de urgência e emergência para os servidores da Prefeitura de Manaus tem sido evitada pela diretoria do Hospital Check UP, o único pronto-socorro que atendia até o ano passado os servidores da Prefeitura de Manaus.

Procurado por uma semana pela reportagem da REVISTA CENARIUM, o Check UP informou que não vai comentar o assunto formalmente. No hospital, os funcionários falam em atraso nos repasses do convênio que deveriam ser feitos pela Prefeitura de Manaus mediante a autorização do prefeito David Almeida.

No site da Manausmed ainda consta a informação de que o Hospital Check UP atende os servidores de urgência e emergência. Na porta do hospital, nenhum servidor é recebido, conforme constatado pela reportagem da CENARIUM, que foi impedida de fazer imagens. Com medo de retaliação, os servidores, também, não permitiram fotos.

Pandemia agravada

A ausência do plano de saúde para os servidores da Prefeitura de Manaus fez piorar o atendimento nos hospitais públicos, que registraram filas para as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) com mais de 400 pessoas em espera nos primeiros dois meses do ano, levando a Secretaria de Estado de Saúde (SES) a transferir pacientes para outros Estados.

Em Manaus, atualmente, existem 500 pacientes internados com Covid, sendo 237 em leitos clínicos (30 na rede privada e 207 na rede pública), 254 em UTI (66 na rede privada e 188 na rede pública) e nove em sala vermelha.

Há, ainda, outros 57 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 44 estão em leitos clínicos (23 na rede privada e 21 na rede pública), 11 estão em UTI (1 na rede privada e 10 na rede pública) e dois em sala vermelha.

No boletim da FVS-AM, mostra, também, que há outros 160 pacientes internados com Covid-19 no interior do Estado, conforme informado pela Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM). São 18 em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e 142 em leitos clínicos.

‘Pagava ou morria’

Mulher de um servidor aposentado da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) – que preferiu não se identificar – precisou desembolsar R$ 50 mil para um hospital particular após receber a negativa do hospital credenciado pela Prefeitura de Manaus para se internar no estágio grave da Covid-19.

“Minha família precisou fazer cota e conseguimos o dinheiro para pagar o hospital. Ou pagava, ou morria, porque eu estava com a nova cepa do novo coronavírus (P1). Apesar disso, meu marido tinha, mensalmente, o valor do convênio debitado no contracheque dele. Pretendo entrar com uma ação contra o município de Manaus para reaver o valor gasto”, declarou a dona de casa.

Questionada, a Secretaria Municipal de Administração (Semad) – que administra a Manausmed – informou que o processo de contratação de hospitais que ofereçam atendimentos de urgência e emergência adulto e infantil está em fase de finalização e prometeu o retorno do serviço em 30 dias.

Espera por cirurgias

Além dos atendimentos nos prontos-socorros, as cirurgias eletivas, também, estão paralisadas para os servidores da Manausmed. Um funcionário que, para não sofrer represálias, preferiu não se identificar, relatou que está em busca de uma cirurgia e não conseguiu realizar o procedimento.

“Em janeiro, no auge da segunda onda, busquei atendimento e não consegui nenhum por conta da Manausmed não ter credenciado em nenhuma rede. Trabalhamos e só queremos o nosso direito garantido, já que todos os meses é descontado no contracheque. Já tive que adiar duas vezes a cirurgia, porque a prefeitura não cobre o serviço que preciso fazer”, detalhou o servidor indignado.


A CENARIUM teve acesso ao contracheque de março do servidor no qual mostra o desconto da Manausmed. Atendimento está suspenso (Reprodução)

Alvo da CPI

O prefeito de Manaus, David Almeida, é o único prefeito do Brasil que entrou no alvo da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, oficializada no dia 19 de abril no Congresso. O plano de trabalho da comissão prevê chamar ao menos seis ministros ou ex-ministros do governo Jair Bolsonaro para dar explicações sobre o enfrentamento da pandemia no País.

Uma versão preliminar do roteiro, elaborado por integrantes do colegiado, também cita a necessidade de ouvir secretários do Ministério da Saúde, autoridades responsáveis pela área de comunicação e governadores. Além do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, a lista inicial das autoridades que devem ser ouvidas inclui o ex-número 2 da pasta, coronel Élcio Franco.

O ex-comandante do Exército Edson Pujol, também, será chamado para explicar a produção de cloroquina pelo laboratório ligado às Forças Armadas. O medicamento, sem eficácia comprovada contra a Covid-19, passou a ser produzido em maior escala.