5 de março de 2021

Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – Entidades e ativistas culturais manifestaram nesta quinta-feira, 4, repúdio sobre a sugestão de corte orçamentário das pastas governamentais de Cultura e de Esporte do Amazonas, proposto pelo deputado Dermilson Chagas (Podemos), durante sessão na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

À REVISTA CENARIUM, a produtora cultural do movimento Mobiliza Cultura Amazonas, Michelle Andrews, afirma que a conduta do parlamentar foi irresponsável e só colabora para a criminalização dos segmentos no Estado.

Para a produtora e ativista cultural Michelle Andrews, fala do parlamentar além de infeliz, mostra a visão deturpada que se tem da cultura (Reprodução/Divulgação)

“A secretaria é importante para o movimento cultural, não é só dizer que tem dinheiro e botar na saúde. Todo final de ano eles fazem um planejamento orçamentário, sabem a porcentagem e isso tem que ser investigado. Ele [o deputado] precisa saber que a gente ficou incomodado. A cultura e o esporte também são essenciais”, afirma Michelle Andrews.

Para a produtora, a postura do deputado foi classificada pela classe artística como uma ofensa. “Ele praticamente disse que a cultura não tem importância. Espero que ele entenda a colocação e não vire um inimigo da cultura e do esporte. Que ele fiscalize e pare de seguir falácia”, salientou.

Manifesto

O manifesto do Mobiliza Cultura Amazonas afirma que se solidariza com a destinação de recursos extras no combate à pandemia. No entanto, ressalta que o parlamentar erra o alvo ao atacar os segmentos da cultura e do esporte. “Dá a entender que seriam investimentos desnecessários”, diz.

Centro Cultural dos Povos da Amazônia fechado durante a pandemia. (Michael Dantas/SEC)

“Os setores mais afetados por essa pandemia são ligados ao esporte e cultura, pois com as restrições a essas atividades foram logo suspensas e ainda não retornaram em sua plenitude. Estamos em casa, sem trabalho, sem renda”, pontua o movimento.

Veja na íntegra:

Carta aberta

Em carta aberta, a Federação de Teatro do Amazonas (Fetam) também se posicionou contra o deputado estadual e à Aleam. “Não podemos aceitar tal afirmativa, no mínimo, impopular, sr. Creonte Dermilson. Ela não condiz com a função de secretarias de manter as ações culturais e suas transversalidade no Amazonas”, diz trecho da carta.

Para a federação, a afirmativa do parlamentar expõe a “sua total falta de compreensão, da importância da cultura, do turismo e do esporte para a economia do Amazonas. Fortaleçam os setores da cultura e do turismo em vez de retirar o ínfimo recurso destinado a eles”, completa.

Oposição cega

Sem apresentar evidências de desvios ou irregularidades, Chagas, mais uma vez, fez da oposição política um ataque às cegas ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), sobre a destinação das verbas da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas. “Vamos tirar o orçamento do esporte e da cultura, porque lá só tem amigo do Wilson”, declarou.

O deputado estadual Dermilson Chagas informou à REVISTA CENARIUM que não se posicionaria sobre a manifestação das entidades artísticas.