24 de outubro de 2020

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC

Da Revista Cenarium*

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 16, que não desistiu da implementação de um imposto sobre transações, nos moldes da antiga CPMF, para bancar a ampla desoneração da folha das empresas dentro de plano para impulsionar a geração de empregos.

Em evento promovido pela XP Investimentos, ele também negou que o governo irá estender o auxílio emergencial para 2021, frisando que haverá respeito à regra do teto de gastos após o período de calamidade neste ano em função da pandemia de Covid-19.

Na véspera, Guedes havia dito à CNN Brasil que talvez desistisse do novo imposto. Nesta noite, contudo, ele justificou ter dado uma informação equivocada no lugar da sua usual explicação sobre a necessidade de um tributo dessa natureza para promover um bem maior — a geração de postos de trabalho.

“Eu não me importo se o tributo é feio desde que ele funcione criando novos empregos. É válido. Mas então eu dei uma informação errada ontem, porque é esse o sentimento. Primeiro eu disse: ‘Bem, talvez eu deveria ter falado com ela (repórter)’. Aí quando eu falo com ela, é o mesmo assunto, a mesma porcaria, que é: ‘Você está criando uma nova CPMF?’. Não, de jeito nenhum. Ao invés de explicar, eu disse: ‘Escute bem, eu esqueci, eu desisti’”, afirmou ele, em participação em inglês.

O ministro disse que “de modo algum” desistiu da investida.

“Eu não sou um homem de desistir facilmente das coisas”, emendou.

Guedes sempre se mostrou a favor da instituição de um imposto sobre transações de base ampla para bancar a desoneração da folha de salário das empresas, mas a equipe econômica ainda não chegou a formalizar sua proposta.

Sobre a eventual extensão do auxílio emergencial para o próximo ano, o ministro se posicionou após preocupações nesse sentido terem novamente mexido com o mercado financeiro nesta sexta-feira.

(*) Com informação da Reuters

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.