Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
20 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Priscilla Peixoto – Da Cenarium

MANAUS – Suspeito do homicídio qualificado contra a Miss Manicoré Kimberly Karen Mota de Oliveira, Rafael Fernandez Rodrigues, vai a júri popular nesta quarta-feira, 27. A sessão é realizada pela 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus no auditório do Fórum Ministro Henoch Reis, bairro São Francisco, zona Sul. O crime que vitimou a miss ocorreu em maio de 2020 e teve ampla repercussão nas mídias.

Durante a sessão presidida pela juíza de direito titular da 2.ª Vara do Tribunal do Júri, Ana Paula de Medeiros Braga Bussulo, serão ouvidas cinco testemunhas de acusação apresentadas pelo Ministério Público e quatro testemunhas convocadas pela defesa composta pelos advogados Josemar Berçot, Josemar Berçot Junior, Eguinaldo Gonçalves de Moura e Camila Alencar de Brito.

Kimberly Karen Mota de Oliveira, de 22 anos, ex-miss Manicoré, município do interior do Amazonas, foi morta no dia 11 de maio de 2020. (Arquivo)
Kimberly Karen Mota de Oliveira, de 22 anos, foi assassinada no dia 11 de maio de 2020. (Reprodução/ Arquivo Pessooal)

Sobre o caso

Kimberly Oliveira e Rafael Rodrigues tinham um relacionamento amoroso e haviam rompido pouco antes do crime cometido no dia 11 de maio de 2020. De acordo com informações do inquérito policial, após observar notificações de mensagens de uma outra pessoa no aparelho celular da jovem, Rafael não aceitou a decisão da miss em não ter intenção de reatar o relacionamento.

Após matar a vítima com uma faca de cozinha no próprio apartamento, localizado na avenida Joaquim Nabuco, no Centro de Manaus, o suspeito fugiu e foi preso no dia 15 de maio de 2020 em Pacaraima (a 192 quilômetros de Boa Vista), em Roraima. Rafael estava escondido em uma cabana em uma zona de mata daquele município.

Dados e denúncia

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE/AM) formalizou denúncia, na Justiça estadual, contra Rafael Fernandez Rodrigues por crimes previstos no art. 121, parágrafo 2.º, incisos I (motivo torpe), IV (recurso que tornou impossível a defesa da ofendida) e VI (feminicídio), do Código Penal brasileiro.

No Amazonas, segundo dados oficiais publicados pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), em 2020, foram 13 casos de feminicídios registrados. Já em 2021, até setembro, foram nove casos registrados.