Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
10 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais
Com informações do Correio Braziliense

BELÉM – Um grupo de aproximadamente cem madeireiros invadiu a sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém (STTR), no Pará, na manhã desta segunda-feira, 3. A invasão foi motivada por uma decisão judicial, que suspendeu a exploração de madeira na reserva extrativista (Resex) Tapajós Arapiuns, onde vivem cerca de 22 mil pessoas, entre indígenas e não indígenas.

Funcionários do sindicato atendiam trabalhadores no momento da invasão. Segundo relatos, não chegou a ocorrer ato de violência física. O clima ficou tenso, com gritaria e bate-boca, até que agentes da Polícia Militar chegaram ao local.

Ao Estadão, a secretária de políticas sociais do STTR, Gracivane Rodrigues de Moura, explicou que, no dia 30 de abril, uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) suspendeu uma liminar da Justiça Federal de Santarém, que permitia a retirada de madeira da reserva. A decisão do TRF-1 acatou uma ação movida pelo próprio sindicato e pelo Conselho Indígena Tapajós Arapiuns (Cita) e a organização Terra de Direitos.

“Temos 76 comunidades aqui, das quais 48 são aldeias. São cerca de 22 mil pessoas que vivem dentro da reserva. O plano da reserva diz claramente que não podem sair madeiras em toras daqui, nem fazer abertura de estrada, mas tudo isso tem ocorrido, e sem que os povos tenham o direito de serem consultados antes”, disse Gracivane. “Por isso, solicitamos a suspensão, porque não houve consulta prévia. Não somos contra os projetos na reserva, mas precisam ser feitos com o acordo de todos, em benefício de todos e não apenas de alguns, como vinha ocorrendo.

“Segundo a representante do STTR, os madeireiros cobram a retirada imediata da ação. A decisão de suspender a liminar que liberava a exploração foi dada pelo desembargador do TRF-1, Souza Prudente, que cobrou “consulta prévia, livre e informada à indígenas e comunidades tradicionais da região” antes que os planos de extração avancem.

Em 26 de abril, a Justiça Federal de Santarém havia concedido uma liminar para liberar a exploração, sob o argumento de que uma consulta ao Conselho Deliberativo, Conselho Comunitário e Associação Tapajoara, que atuam na região, já seria o suficiente para autorizar a atuação dos madeireiros. Souza Prudente, porém, entendeu que as reuniões realizadas com o conselho não podiam substituir a consulta aos povos indígenas e comunidades.